sexta-feira, 3 de março de 2017

03 - A divindade do Espírito Santo



A divindade do Espírito Santo - 03

A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós 2Co 13:14

Leituras da semana: At 5:1-4; 1Co 2:10, 11; Is 63:10-14; Tt 3:4-6; Rm 8:11; 1Pe 1:2

A divindade de Deus Pai é admitida em toda a Bíblia. Encontramos tal verdade expressa tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Entre as muitas verdades reveladas na Palavra de Deus, essa é uma das mais importantes e fundamentais.

A divindade de Jesus é confirmada também em muitas passagens das Escrituras, especialmente, é claro, no Novo Testamento, tanto nos evangelhos quanto nas epístolas.

No entanto, a divindade do Espírito Santo é ensinada de maneira mais sutil. Ela pode ser deduzida a partir de várias declarações bíblicas indiretas. Precisamos comparar passagem com passagem a fim de examinar cuidadosamente o que Deus revelou em Sua Palavra sobre o Espírito Santo. Ao fazer isso, não devemos afirmar menos do que aquilo que as Escrituras declaram, mas também não devemos “ultrapassar o que está escrito” (1Co 4:6). Esse assunto exige uma atitude de humildade; não devemos fazer do nosso raciocínio humano sobre Deus o padrão de como se deve compreender o Espírito Santo. Em vez disso, devemos aceitar e dar testemunho do que as Escrituras afirmam, não importando quanto seja difícil entender plenamente alguns conceitos.

DOMINGO                                              O Espírito Santo e Deus 

A Bíblia não apresenta uma descrição sistemática da divindade do Espírito Santo. Em vez disso, encontramos indícios interessantes de que os escritores bíblicos consideravam o Espírito Santo igual a Deus. Existem várias passagens bíblicas em que a mesma ação é atribuída a Deus e depois também ao Espírito Santo.

1.. O que podemos concluir a respeito de Deus e do Espírito Santo a partir das palavras de Pedro a Ananias?
 
Mas um certo homem chamado Ananias, com Safira, sua mulher, vendeu uma propriedade, E reteve parte do preço, sabendo-o também sua mulher; e, levando uma parte, a depositou aos pés dos apóstolos. Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus. Atos 5:1-4

Se o Espírito Santo não fosse Deus, Pedro estaria falando, nessa passagem, de maneira muito descuidada e fatalmente enganosa. O aspecto interessante sobre a natureza do Espírito Santo, entretanto, é o fato de que o apóstolo Pedro coloca Deus e o Espírito no mesmo nível. No versículo 3, ele perguntou a Ananias por que ele havia mentido ao Espírito Santo, e continuou no fim do versículo 4: “Não mentiste aos homens, mas a Deus.” Pedro equiparou claramente o Espírito Santo a Deus. A questão era que Ananias não estava apenas mentindo aos apóstolos, mas ao próprio Deus. Mentir ao Espírito Santo é mentir a Deus. O Espírito Santo é Deus. A mensagem aqui é muito clara.

Devemos nos lembrar de que os cristãos da igreja primitiva eram um no coração e na mente (At 4:32, tradução livre  (E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. At 4:32  ). Essa unidade era fruto do Espírito Santo. Por isso, eles compartilhavam de maneira voluntária e livre o que possuíam. Mentir a respeito desse compartilhamento mútuo era negar a unidade da comunidade e contradizer o Espírito que a fortalecia e a tornava possível.

A mentira de Ananias e da esposa falsificou a obra divina e a presença do Espírito Santo na comunidade da igreja primitiva. A desonestidade para com Deus é destrutiva e impede que o Espírito atue efetivamente na vida dos cristãos. Deus quer que O sirvamos de maneira completa. Visto que aquela nova comunidade de fé vivia um momento fundamental, Deus usou consequências drásticas para garantir que a nova igreja atuasse em harmonia e em verdade uns com os outros e estivesse disposta a ser conduzida pelo Seu Espírito.

Ananias e Safira venderam uma propriedade e doaram uma parte para a igreja. Qual é o problema de ficar com um pouco do dinheiro? O que essa história nos revela sobre o cuidado que precisamos ter quanto à maneira de justificar nossos atos?

SEGUNDA                                     Os atributos divinos do Espírito Santo 

Em várias passagens bíblicas o Espírito Santo é descrito como Alguém que possui atributos divinos.

2. Quais atributos e ações do Espírito Santo estão listados nas seguintes passagens bíblicas que só podem ser atribuídos a Deus?

A) Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. 1Coríntios 2:10,11
 
Quem guiou o Espírito do Senhor, ou como seu conselheiro o ensinou? Com quem tomou ele conselho, que lhe desse entendimento, e lhe ensinasse o caminho do juízo, e lhe ensinasse conhecimento, e lhe mostrasse o caminho do entendimento? Isaías 40:13,14

B) Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face? Salmos 139:7

C) Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo? Hebreus 9:14

Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém. 1 Timóteo 6:16

D)
E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus Lc 1:35

Pelo poder dos sinais e prodígios, e pela virtude do Espírito de Deus; de maneira que desde Jerusalém, e arredores, até ao Ilírico, tenho pregado o evangelho de Jesus Cristo. Romanos 15:19

Envias o teu Espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra. Salmos 104:30

Ao ponderar sobre a sabedoria de Deus, Paulo argumentou que é o Espírito Santo quem nos revela essa sabedoria. Paulo empregou, em seu argumento, o raciocínio de que “os iguais se conhecem”. Somente Aquele que é igual a Deus pode conhecer as coisas profundas dEle (1Co 2:10, 11). Não há como conhecer Deus da forma que o Espírito O conhece, pois Ele O conhece interiormente, de tal maneira que uma pessoa de fora não conhece. O Espírito Santo é, de fato, onisciente.

A presença do Espírito é a presença de Deus. Se é impossível fugir para um lugar em que o Espírito de Deus não esteja, então Ele é onipresente (compare com Sl 139:7).

A Bíblia afirma que o Espírito Santo é eterno (Hb 9:14). De acordo com ela, quantos seres eternos existem? Só Deus é eterno (1Tm 6:16)! Se o Espírito é chamado de eterno, então Ele deve ser Deus.

O Espírito Santo também é todo-poderoso, onipotente. Em Lucas 1:35 as expressões “o Espírito Santo” e “o poder do Altíssimo” são construções sinônimas. Nesse verso elas se referem a um milagre de grande importância: a concepção da virgem. Em Romanos 15:19, o apóstolo Paulo reconheceu que seu ministério teve êxito por “força de sinais e prodígios, pelo poder do Espírito Santo”. De fato, o Espírito Santo pode realizar milagres divinos.

Jesus também disse que a blasfêmia contra o Espírito é imperdoável. Isso é incompreensível, a menos que o Espírito seja divino.

Portanto, eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens. E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro. Mateus 12:31,32

Na verdade vos digo que todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, e toda a sorte de blasfêmias, com que blasfemarem; Qualquer, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo Marcos 3:28,29

Mas, talvez, a obra mais incrível do Espírito Santo seja Sua capacidade de transformar o coração e a mente humana. É Ele quem realiza um novo nascimento espiritual (Jo 3:5-8). Ele tem o poder de realizar algo que só Deus pode fazer.

TERÇA                                           Alusões bíblicas 

Na Bíblia existem várias referências ao Espírito Santo que podem ser alternadas com referências a Deus.

3. A quem o escritor estava se referindo nessas passagens, e o que isso nos revela sobre a divindade do Espírito Santo?
 
Mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu Espírito Santo; por isso se lhes tornou em inimigo, e ele mesmo pelejou contra eles. Todavia se lembrou dos dias da antiguidade, de Moisés, e do seu povo, dizendo: Onde está agora o que os fez subir do mar com os pastores do seu rebanho? Onde está o que pôs no meio deles o seu Espírito Santo? Aquele cujo braço glorioso ele fez andar à mão direita de Moisés, que fendeu as águas diante deles, para fazer para si um nome eterno? Aquele que os guiou pelos abismos, como o cavalo no deserto, de modo que nunca tropeçaram? Como o animal que desce ao vale, o Espírito do Senhor lhes deu descanso; assim guiaste ao teu povo, para te fazeres um nome glorioso. Isaías 63:10-14

 E disse o Senhor a Moisés: Até quando me provocará este povo? e até quando não crerá em mim, apesar de todos os sinais que fiz no meio dele? Números 14:11    
   
Assim só o Senhor o guiou; e não havia com ele deus estranho. Deuteronômio 32:12

Isaías 63:10 declara que o povo se rebelou e ofendeu o Espírito Santo. No entanto, o relato análogo, encontrado em Números 14:11, afirma que “o Senhor disse a Moisés: ‘Até quando este povo Me tratará com pouco caso?’” (NVI). E em Deuteronômio 32:12 o autor diz que “o Senhor sozinho o levou; nenhum deus estrangeiro o ajudou”. Obviamente, os escritores bíblicos enxergavam Deus e o Espírito Santo no mesmo nível.

Em 2 Samuel 23:2 está escrito: “O Espírito do Senhor fala por meu intermédio”. Porém, na declaração análoga, no versículo 3, é dito: “Disse o Deus de Israel […] a mim”. Mais uma vez, a conclusão desse paralelo bíblico é que o Espírito Santo é considerado igual a Deus.

4. Como as referências ao Espírito Santo e a Deus são usadas de maneira alternada nessas passagens? O que é atribuído, igualmente, a Deus e ao Espírito Santo?

Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo. 1Coríntios 3:16,17

Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. 1 Coríntios 6:19,20

Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. 1Coríntios 12:11

E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 1Coríntios 12:28

Em 1Coríntios 3:16, 17 e em 1 Coríntios 6:19, 20, Paulo usou uma linguagem semelhante. Para o apóstolo, ser habitado pelo Espírito Santo é ser habitado por Deus. Ao equiparar a expressão “templo de Deus” (ARC) a um templo “do Espírito Santo”, Paulo salientou que o Espírito Santo é Deus.

Em 1Coríntios 12:11, Paulo afirmou que é o Espírito Santo quem distribui os dons espirituais a cada cristão. Alguns versos depois, em 1Coríntios 12:28, o texto nos diz que é Deus quem faz isso. A mensagem fundamental é clara: o Espírito Santo realiza a mesma ação de Deus, uma poderosa evidência de que Ele é igual a Deus.

QUARTA                                        A obra divina do Espírito Santo 

O Espírito Santo realiza certas obras que a Bíblia atribui apenas a Deus. Ele atuou na obra divina da criação tanto quanto atua na restauração dos pecadores.

5.. Como Paulo descreve o envolvimento do Espírito Santo no processo de restauração?
 
Mas quando apareceu a benignidade e amor de Deus, nosso Salvador, para com os homens, Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, Que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo nosso Salvador; Tito 3:4-6

O Espírito Santo é mencionado lado a lado com “Deus, nosso Salvador” (Tt 3:4, NVI) no contexto da “lavagem regeneradora” (batismo) e da nossa renovação espiritual (Tt 3:5). Ele é o agente do nosso novo nascimento. Ele renova nosso coração e desperta nosso desejo de seguir a Cristo. Ele é o Espírito da vida (Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte. Romanos 8:2), Aquele que santifica os pecadores e transforma seu caráter. Ele nos ajuda a ser obedientes a Jesus Cristo, que nos salvou. Somente um ser divino é capaz de coisas tão maravilhosas!

6. A quem os escritores bíblicos atribuem a fala divina?
 
Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim. Então disse ele: Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado. Isaías 6:8-10

E, como ficaram entre si discordes, despediram-se, dizendo Paulo esta palavra: Bem falou o Espírito Santo a nossos pais pelo profeta Isaías, Dizendo:Vai a este povo, e dize:De ouvido ouvireis, e de maneira nenhuma entendereis;E, vendo vereis, e de maneira nenhuma percebereis. Porquanto o coração deste povo está endurecido,e com os ouvidos ouviram pesadamente,e fecharam os olhos,para que nunca com os olhos vejam,Nem com os ouvidos ouçam,Nem do coração entendam,E se convertam,E eu os cure. Atos 28:25-27

Várias passagens bíblicas afirmam que, por um lado, é Deus quem está falando, mas outros escritores bíblicos afirmam que o Espírito Santo é quem fala. Foi o Espírito que nos concedeu as Sagradas Escrituras de modo sobrenatural (Antes de mais nada, saibam que nenhuma profecia da Escritura provém de interpretação pessoal, pois jamais a profecia teve origem na vontade humana, mas homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo.2 Pedro 1:20,21), algo que em outros lugares é descrito como inspiração de Deus (Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 2 Timóteo 3:16). Conceder as Escrituras é outra obra divina do Espírito.

7. O que Romanos 8:11 ensina sobre a divindade do Espírito Santo?
 
E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vocês. Rom 8:11

A Bíblia declara que o Espírito Santo ressuscitou Jesus dos mortos e que o Senhor também nos ressuscitará por meio do Espírito. Somente Deus tem o poder de ressuscitar pessoas da morte. Portanto, o Espírito Santo é Deus.

QUINTA                                         A importância de Sua Divindade 

O que seria perdido se o Espírito Santo não fosse Deus? Se Ele não fosse plenamente Deus, as implicações para a salvação e adoração seriam graves. A Bíblia nos diz que o Espírito Santo é responsável por regenerar os cristãos. Ele habita neles e os preenche. Renova nosso pensamento e transforma nosso caráter. Tem poder para ressuscitar. Torna os seguidores de Cristo santos como Deus. Se o Espírito não fosse Deus, como poderíamos ter a certeza de que Ele pode fazer qualquer uma dessas coisas de tal maneira que sejam aceitáveis a Deus?

8. O Espírito Santo é mencionado lado a lado com Deus, o Pai, e Jesus Cristo, o Filho, no batismo e na bênção apostólica. O que isso revela sobre Seu lugar na adoração e no louvor a Deus?

eleitos segundo a presciência de Deus Pai, na santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas. 1Pedro 1:2

A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós. 2 Cor 13:14

E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Mateus 28:18-20

A divindade do Espírito Santo nos ajuda a nos relacionar com Ele de maneiras apropriadas, que reconheçam quem Ele realmente é. Sua divindade é o pressuposto para uma espiritualidade centrada em Deus. A igreja do Novo Testamento, sem hesitar, menciona o Espírito Santo lado a lado com as outras duas pessoas da Trindade. No ato do batismo, o Espírito Santo ocupa o mesmo grau e posição que o Pai e o Filho. O batismo tem um significado espiritual profundo, e é uma ordenança de plena adoração. Isso é igualmente verdade quanto à bênção apostólica. Ela é uma invocação de adoração na qual o Espírito Santo é louvado assim como o Pai e o Filho. As três pessoas da Trindade são mencionadas lado a lado e igualmente confirmadas.

No Novo Testamento, o Espírito é declarado digno de adoração, não apenas no batismo e na bênção apostólica, mas também no pedido constante a fim de que dependamos dEle para todo bem espiritual e que Lhe obedeçamos como nosso mestre divino e santificador. É importante o fato de que Espírito Santo é Deus? Sim, muito! Se sabemos quem Ele é verdadeiramente e reconhecemos Sua divindade, honraremos Sua obra e confiaremos nEle para nosso próprio crescimento pessoal e santificação.

Pense no significado de ter o Espírito Santo, o próprio Deus, atuando em sua vida. Quais grandes promessas encontramos em saber que é Deus quem está atuando em nós para nos transformar naquilo que podemos ser nEle? Por que essa é uma verdade que edifica e traz segurança?

SEXTA                                           Estudo adicional 

Leia, de Ellen G. White, “Explicações falsas acerca da Divindade”, em Evangelismo, p. 613-617.
Como vimos nesta semana, a evidência bíblica da divindade do Espírito Santo é muito convincente. O Espírito é Deus. Porém, ao pensar nEle, devemos nos lembrar de que estamos tratando de um mistério divino. Reiteramos o argumento: assim como não podemos explicar plenamente Deus e Sua natureza, temos que resistir à tentação de fazer da nossa compreensão humana a norma de como Deus deve ser. A verdade vai muito além da compreensão humana, especialmente quando se trata da natureza do próprio Deus.

Ao mesmo tempo, a fé na divindade do Espírito Santo significa mais do que aceitar o mero ensino da Trindade. Ela inclui dependência e confiança na obra salvadora de Deus, comissionada pelo Pai e realizada por meio do Filho, no poder do Espírito. “Não é essencial que sejamos capazes de definir exatamente o que seja o Espírito Santo […] A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lhes revelou. Com fantasiosos pontos de vista, as pessoas podem reunir passagens das Escrituras e dar-lhes um significado humano. Mas a aceitação desses pontos de vista não fortalecerá a igreja. Com relação a tais mistérios – demasiadamente profundos para o entendimento humano – o silêncio é ouro” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 51, 52).

Perguntas para reflexão
1. O filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein escreveu: “Do que não podemos falar, devemos ignorar e guardar em silêncio.” Embora o contexto seja muito diferente daquele sobre o qual Ellen G. White escreveu acima, o princípio é o mesmo. Por que é melhor guardar silêncio quanto aos aspectos de Deus e da verdade espiritual em geral que não foram revelados pela Inspiração?
2. A respeito do Espírito Santo, reflita sobre a seguinte pergunta: “O que estaria perdido se Ele não fosse plenamente Deus?”
3. Na prática, o que a seguinte citação nos diz? “O Espírito Santo, cuja plenitude devemos ter, não é uma vaga influência nem força mística. É uma Pessoa divina que deve ser recebida com profunda humildade, veneração e obediência. Não se trata, pois, de nós possuirmos mais dEle, mas que Ele possua mais de nós – que nos possua totalmente” (LeRoy Edwin Froom, A Vinda do Consolador, p. 157, 158).

A divindade do Espírito Santo – 03 (Auxiliar)

TEXTO-CHAVE: 1 Pedro 1:2

Saber: Que o Espírito Santo é um Ser divino, assim como o Pai e o Filho.
Sentir: Valorizar o papel do Espírito Santo em recriar os crentes à imagem divina e transformá-los à semelhança de Cristo.
Fazer: Permitir que o poder divino do Espírito transforme sua vida.

ESBOÇO

I. Saber: Reconhecer a importância do Espírito Santo como uma pessoa da Trindade
A. Qual é a evidência bíblica da divindade do Espírito Santo?
B. Por que essa verdade é tão importante? Quais seriam as implicações se o Espírito não fosse um ser divino como o Pai e o Filho?

II. Sentir: Valorizar o papel do Espírito Santo na redenção
A. A compreensão do papel do Espírito Santo na redenção faz diferença em sua vida espiritual?
B. Por que o pecado de Ananias e Safira, de mentir ao Espírito Santo, foi tão grave? Por que o castigo de Deus foi tão severo?

III. Fazer: Aplicar à nossa vida a verdade divina concernente à personalidade do Espírito Santo
A. Por que a história de Ananias e Safira é tão importante para a igreja hoje?
B. A atuação do Espírito Santo, como a terceira pessoa da Trindade, faz diferença em nossa vida espiritual?

RESUMO: Quando compreendemos o papel do Espírito Santo como a terceira pessoa da Trindade somos capazes de valorizar mais Seu ministério e cooperar com Ele ao decidir fazer as mudanças que Ele ordena para nossa vida. Quando compreendemos Sua divindade, ficamos sinceramente gratos pela pessoa do Espírito e desejamos que Ele nos transforme.

Focalizando as Escrituras:  1 Coríntios 6:19, 20
Conceito-chave: Assim como o tabernáculo terrestre era a morada para a shekinah (glória) de Deus, nosso corpo é o templo do Espírito Santo, projetado para revelar a glória de Deus por meio de uma vida piedosa. A maravilhosa verdade das Escrituras é que o Deus do universo almeja habitar em nosso coração por intermédio da pessoa do Espírito Santo.

A lição desta semana é fundamental para compreendermos o ministério do Espírito Santo na vida do cristão. Entender que o Espírito é a terceira pessoa da Trindade, com os atributos do Pai e do Filho, faz grande diferença em nosso relacionamento com Ele. O Espírito Santo não é uma força para ser utilizada. Não é um poder a ser buscado. Ele é um membro divino da Trindade, a quem abrimos o coração e entregamos a vida. Não devemos usar o Espírito Santo. Ele é quem deve nos usar para que testemunhemos da glória do Cristo crucificado, ressurreto e prestes a vir.

Os atributos de Deus são também os do Espírito. Ele é onisciente, onipotente, onipresente e eterno (1Co 2:10, 11; Sl 104:30; 139:7; Hb 9:14). Ter a plenitude do Espírito é estar repleto da presença de Deus. A morada do Espírito é a habitação do Pai no templo do nosso coração. É Deus habitando em nós por meio do Seu Espírito.

Discussão Inicial
Em toda a Bíblia, o Pai, o Filho e o Espírito Santo possuem uma união indissociável (Mt 28:18, 19; 1Pe 1:2; 2Co 13:14). Eles cooperaram na obra da criação e da redenção. Quais são as semelhanças e diferenças na obra de cada um deles? Qual dos três é preeminente no Antigo Testamento? Qual é o mais destacado nos quatro evangelhos? Por quê? Qual dEles fica em evidência no livro de Atos?

Alguns chamaram o livro de Atos de “Os atos do Espírito Santo”. O Espírito está presente como a terceira Pessoa da Trindade em todo o livro de Atos e nas epístolas de Paulo, convencendo as pessoas do pecado, instruindo-as na justiça, testemunhando de Jesus e transformando vidas. Ao escrever a Tito, o apóstolo declarou que somos salvos “não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo Sua misericórdia, Ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo” (Tt 3:5). É por meio do Espírito que nosso coração é renovado, nossa vida é transformada e somos revigorados.

Perguntas para discussão
1. O que lhe vem imediatamente à memória quando você pensa no Espírito Santo? Compartilhe com os alunos algumas frases que lhe vêm à mente quando pensa no Espírito de Deus.
2. A compreensão da personalidade do Espírito Santo faz diferença em sua vida? Na prática, de que maneira essa compreensão faz diferença para nós?

Compreensão
No Novo Testamento, o Espírito Santo é descrito como o agente divino regenerador, santificador, transformador e doador de vida (Tt 3:5; 1Pe 1:2; 2Co 3:6). Em Romanos 8, o apóstolo Paulo falou sobre a vida na carne e a vida no Espírito. Viver na carne é tentar inutilmente praticar o cristianismo pelas nossas forças e não no poder do Espírito Santo. Viver no Espírito é ter uma vida de submissão às Suas convicções e exigências. É morrer diariamente para os desejos do coração carnal e ser renovado pela graça santificadora do Espírito. A crucificação era uma forma de morte extremamente dolorosa. Jesus morreu pelos nossos pecados, porém, mediante o Espírito Santo, morremos para o pecado. O pecado já não mais é um estilo de vida para o coração convertido. O nosso desejo é agradar a Jesus, e o realizamos pelo poder santificador do Espírito Santo.

Comentário bíblico

Compreendendo a divindade do Espírito Santo (Recapitule 1Pedro 1:2 e Romanos 15:19)

Quais são os atributos de Deus? O que O faz ser Deus? Em primeiro lugar, Ele é eterno; nunca teve começo e nunca terá fim. Ele é o grande “EU SOU” (Êx 3:14). É Aquele “que é, que era e que há de vir” (Ap 1:4). O fato de Deus existir desde a eternidade O distingue de todos as criaturas do Universo. Ele é também onisciente (Dn 2:20-22). Não há nada que um Deus completamente sábio não conheça. Seu conhecimento não é limitado nem parcial. Ele é também onipresente e onipotente. Podemos sentir Sua presença em todos os lugares (Sl 139). Seu poder é ilimitado e não existe nada que Ele não saiba antes que aconteça.

Eis uma verdade surpreendente: as mesmas qualidades atribuídas a Deus nas Escrituras também são aplicadas ao Espírito Santo. O Espírito também é eterno (Hb 9:14). Ele é onisciente, onipotente e onipresente (1Co 2:10, 11; Rm 15:19; Sl 139:7). O Pai e o Filho estão presentes em nossa vida, concedendo todos os recursos do Céu por meio do ministério do Espírito Santo.

Sendo filhos de Deus, temos a promessa de que receberemos sabedoria e poder do Espírito. Por meio dEle, temos a certeza da vida eterna e esperança além da morte (Rm 8:12-17). Se o Espírito Santo não fosse Deus, como Ele poderia nos oferecer sabedoria divina, graça santificadora, poder transformador e esperança eterna? Se Ele fosse meramente uma força, certamente não poderia nos dar a certeza da vida eterna. A natureza eterna da Trindade é absolutamente crucial para compreendermos a importância do Espírito Santo para a vida cristã.

Examine com os alunos as implicações práticas do fato de que o Espírito Santo é eterno, onisciente, onipotente e onipresente. O que os atributos dEle significam no dia a dia do cristão?

Pense nisto: Por que esses atributos do Espírito Santo são tão importantes para enfrentarmos as tentações do diabo? Por que alguns teólogos afirmam que a crença no Espírito Santo é uma das verdades mais mal compreendidas da Bíblia e que, se compreendêssemos melhor quem Ele é e como experimentar Seu poder transformador, o poder do pecado em nossa vida seria destruído?

Aplicação  - Às vezes, lutamos durante anos contra as mesmas atitudes egoístas, os mesmos hábitos prejudiciais e tendências pecaminosas. Ajude seus alunos a compreender o poder regenerador, santificador e transformador do Espírito Santo como a terceira pessoa da Trindade.

Pergunta para aplicação
1. Como podemos experimentar o poder transformador do Espírito Santo descrito nas Escrituras?
2. Que coisas em nossa vida nos distraem e nos impedem de desfrutar a plenitude do poder do Espírito?
3. O que podemos fazer em relação a essas coisas? Qual é o segredo para vencer hábitos, atitudes e comportamentos duradouros que não estão em harmonia com a vontade de Deus?

Criatividade e atividades práticas
A lição desta semana foi especialmente formulada para ajudar cada aluno a compreender o poder divino do Espírito Santo como a terceira pessoa da Trindade. Ajude-os
a entender com clareza essa verdade fundamental para a vida cristã.

Atividades
1. Dependendo da disponibilidade dos recursos, dê lápis e papel para cada aluno. Peça que eles escrevam, em uma única frase, a coisa mais importante que aprenderam com esta lição.
2. Como incentivo, peça aos alunos que leiam a frase que escreveram. Ou, se não houver disponibilidade de recursos, peça que compartilhem seus pensamentos em voz alta.

Planejando atividades:  O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?

A divindade do Espírito Santo – 03 - (Comentário)

A divindade do Espírito Santo – 2 Coríntios 13:14 

Provavelmente a pessoa e a obra do Espírito Santo sejam o aspecto menos compreendido da Divindade. Um dos motivos é que a natureza de Sua obra é apontar Cristo e o Pai, em vez de Si mesmo. No entanto, Ele é tão divino como o Pai e o Filho.

Deus Espírito Santo
“[…] mentisses ao Espírito Santo, […] Não mentiste aos homens, mas a Deus” (At 5:3-4).
Atos 5:3, 4 são dois versos poderosos que apontam para a divindade do Espírito Santo. Deus e o Espírito Santo são usados de modo intercambiável. Pedro colocou o Espírito Santo em pé de igualdade em relação a Deus. O texto de 1 Coríntios 12:4-11, 28, ajuda-nos a entender a divindade do Espírito Santo. Nesse texto, os termos Espírito Santo, Senhor e Deus também são usados de modo intercambiável. Os versos 5, 6 e 28 mostram isso.

Outro texto poderoso que revela a divindade do Espírito Santo é João 14:16. Diz assim: “Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro [allos] Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco”.

Outro, em grego, é allos, que significa outro teologicamente igual, ou seja, da mesma espécie ou da mesma substância. Não há diferença entre Cristo e o Espírito Santo. A diferença é apenas funcional. As três Pessoas da Divindade são semelhantes. Nenhuma é superior às outras. São semelhantes ou iguais em todas as coisas. A diferença, portanto, fica por conta da funcionalidade dentro do plano de redenção.

Sendo um dos membros da Divindade, o Espírito Santo é uma Pessoa plenamente divina. O Espírito Santo sempre atuou com o Pai e o Filho neste mundo (Gn 1:2, Hb 9:14). Mas, quando Jesus deixou este mundo, Ele prometeu que, de uma forma nova e maravilhosa, o Espírito Santo O representaria e habitaria naqueles que nEle acreditassem. Assim, a obra de Espírito é introduzir o poder e a presença de Cristo em nossa vida.

Porém, a Bíblia é clara ao afirmar que o Espírito Santo é divino; isto é, o Espírito Santo, assim como o Pai e o Filho, é um dos componentes da Divindade.

Ellen White fez várias declarações sobre a divindade do Espírito Santo. Veja algumas:
Precisamos reconhecer que o Espírito Santo, que é tanto uma Pessoa como o próprio Deus, está andando por essas terras” (Evangelismo, p. 616).

O Espírito Santo é uma pessoa […] O Espírito Santo tem personalidade, do contrário não poderia testificar ao nosso espírito que somos filhos de Deus […] Deve ser também uma Pessoa divina, do contrário não poderia perscrutar os segredos que jazem ocultos na mente de Deus” (Idem, p. 616, 617).

O príncipe da potestade do mal só pode ser mantido em sujeição pelo poder de Deus na terceira pessoa da Divindade, o Espírito Santo” (Idem, p. 617).

Há três pessoas vivas pertencentes ao trio celestial” (Idem, p. 615).

Ellen G. White, fazendo uso da linguagem de Colossenses 2:9, aplica essa linguagem aos três membros da Divindade: “O Pai é toda a plenitude da Divindade”, “O Filho é toda a plenitude da Divindade” e o Espírito Santo é “toda a plenitude da Divindade” (Idem, p. 614, 615).

Atributos e alusões bíblicas sobre a divindade do Espírito Santo
O Espírito Santo possui vários atributos divinos, ou seja, Ele é igual ao Pai e ao Filho em todas as coisas. Por exemplo:

As Escrituras afirmam que Ele é: onipotente (Zc 4:6, Rm 15:19); onipresente (Sl 139:7-10); onisciente (1Co 2:10, 11); eterno (Hb 9:14); Criador (Jó 26:13; 33:4; Sl 104:30); a Verdade (1Jo 5:6); o Senhor da igreja (At 20:28); Aquele que dá vida (Gl 6:8); guia (Sl 143:10; Is 63:14; Rm 8:14; Gl 5:18); santificador (Rm 15:16; 1Co 6:11; 1Pe 1:2); Aquele que habita nos fiéis (1Jo 14:17; Rm 8:11); Santo (Is 63:10; 1Jo 3:20); fonte de poder (Mt 12:28; At 2:4; 1Co 12:9-11); Autor do novo nascimento (1Jo 3:5, 6; Tt 3:5); distribuidor dos dons espirituais (1Co 12:8-11; Jo 14:26, 27); conhecedor do coração do homem (Ez 11:5; Rm 8:26, 27; 1Co 12:10; At 5:3-9); conhecedor do futuro (Lc 2:6; Jo 16:13; At 20:23; 1Tm 4:1; 1Pe 1:11); Salvador (Ef 1:13; Ef 4:30; Tt 3:4, 5); sábio (Is 11:2; Jo 14:26; Ef 1:17); enfim, Ele é Deus (At 5:3, 4). 

No entanto, Ellen White declara: “A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens nada podem explicar porque o Senhor não lhes revelou […] O silêncio é ouro” (Atos dos Apóstolos, p. 52). “Há três pessoas vivas pertencentes à Trindade Celeste: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Os que recebem a Cristo pela fé viva são batizados e os poderes [do Céu] cooperarão com os obedientes súditos dos Céu em seus esforços para viver a nova vida em Cristo” (Evangelismo, p. 615). No original em inglês diz “Divindade celestial”.

Além disso, encontramos na Bíblia varias alusões que colocam o Espírito Santo em pé de igualdade com Deus. Basta Comparar Isaías 63:10-14 com Números 14:11 e Deuteronômio 32:12. E 1 Coríntios 3:16, 17 com 1 Coríntios 6:19, 20, e 1 Coríntios 12:11 com 1 Coríntios 12:28. Essas e outras referências revelam que o que é atribuído a Deus também é atribuído ao Espírito Santo.

A obra do Espírito Santo
Ao considerarmos a obra do Espírito Santo, precisamos nos lembrar da verdade de que todas as pessoas da Trindade são ativas. Isso significa que a Trindade é composta por três pessoas que trabalham:

Em relação ao pecador – É o Espírito Santo quem convence e converte o pecador. “Quando Ele vier convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo […]” (Jo 16:8). “Quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus” (Jo 3:5). Ellen White fez o seguinte comentário: “O Espírito Santo está constantemente buscando atrair a atenção dos homens para a grande oferta feita na cruz do calvário” (Atos dos Apóstolos, p. 52).

Em relação ao crente – O Espírito Santo vem habitar ou fixar residência na vida do crente (Rm 8:9). O Espírito Santo habita no crente para fortalecer ou capacitar o novo converso para um viver vitorioso (Ef 3:16). Sobre a obra do Espírito Santo em relação ao crente, Ellen White escreveu: “É o Espírito que torna eficaz o que foi realizado pelo Redentor do mundo. É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal” (O Desejado de Todas as Nações, p. 671).

O Espírito Santo também proporciona segurança e guia (Rm 8:14-16). Muitas outras atividades poderiam ser citadas, porém, apenas mais duas. Ele sela (Ef 1:13, 14) e capacita o crente para a obra de testemunhar em favor do evangelho (At 1:8).

Em suma, somente um Ser pessoal, ou seja, um Ser que tenha personalidade poderia realizar tais obras. O Espírito Santo não apenas possui personalidade, como ficou demonstrado, mas Ele também é Deus.

Conclusão 
Outras evidências da pessoalidade (caráter ou qualidade do que é pessoal) do Espírito Santo são encontradas na Bíblia. Eis alguns exemplos:

O Espírito Santo fala expressamente (1Tm 4:1), ensina (Jo 14:26), intercede (Rm 8:26), impede ações (At 16:6), dá ordens (At 11:12), envia pessoas em missão (At 10:19, 20), tem vontade (At 16:7) e emoções (Ef 4:30).

O pronome Ele é usado para designar o Espírito Santo nas Escrituras Sagradas. Embora a palavra espírito seja um substantivo abstrato e neutro na língua grega, os escritores do Evangelho se referem a Ele usando o masculino Ele. O próprio Espírito Santo usa o pronome em Seu favor. Em Atos 13:2 lemos: “E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-Me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”.

No texto de Atos 13:2, o Espírito Santo Se refere a Si mesmo usando o pronome na primeira pessoa – Me.

O Espírito Santo é soberano e imprevisível. Às vezes, Ele faz coisas que o homem não entende. Certa vez, o Espírito impediu e não permitiu que os apóstolos fossem para determinada localidade (At 16:6). Uma energia, um ser impessoal ou uma força, não pode tomar decisões, nem fazer planos, nem dirigir a obra de Deus. O Espírito Santo pode, porque Ele é um ser real e divino.

O Espírito Santo, portanto, não pode ser colocado em uma caixa nem ser programado como um computador. Ele deseja manifestar Sua soberania e poder para atingir os não alcançados pelo evangelho eterno. É possível que os crentes se tornem arrogantes, autoconfiantes e insensíveis aos atos soberanos do Espírito do Senhor.

A Igreja Adventista crê na soberania do Espírito Santo. Crê também que o Espírito Santo é missionário e criativo, e que distribui dons (1Co 12:11) aos membros do corpo de Cristo para serem usados em várias atividades e ministérios.

A Pessoa do Espírito Santo tem convencido você dessa verdade? Você já parou para pensar sobre o que seria da igreja se o Espírito Santo não existisse? O que aconteceria com você e os demais pecadores se o Espírito Santo não fosse Deus? E a Bíblia existiria sem Ele?