quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Pare de sabotar seus relacionamentos



 

GISELA RAO
Colaboração para o UOL  -  26/10/2010 - 11h19

·                               
Sabotadoras do próprio relacionamento parecem duvidar de que sejam capazes de despertar o interesse de alguém tão especial, como se não fossem merecedoras de algo bom


No divertidíssimo filme “Como Perder um Homem em Dez Dias” (2003), dirigido por Donald Petrie, a protagonista Andie Anderson faz de tudo para sabotar o seu recente namoro com o bonitão Bem Barry. Ela pega no pé do cara, leva samambaias para a casa dele, atrapalha o jogo de pôquer com os amigos, compra um cachorrinho monstrengo que adora fazer xixi em sua mesa de bilhar etc. etc. Problemas com a autoestima? Medo de ser feliz no amor? Não, não. O objetivo era incrementar uma matéria sobre o assunto. Mas, e nós, seres humanos não-hollywoodianos? Por que vivemos tentando sabotar as nossas relações?

São atos inconscientes, mas que ao serem postos em prática tornam-se deflagrados, sem restar qualquer tipo de dúvida Luiza Ricotta, psicóloga
A psicóloga e professora universitária Luiza Ricotta, autora do livro “Quem Grita Perde a Razão” (Editora Ágora), dá uma boa pista: “Sabotar implica ir contra algo, e o pior, contra si mesma. Isso significa que terá que administrar as situações difíceis que produziu. São pessoas que não aguentam manter um vínculo que tenha equilíbrio e satisfação, principalmente se nunca tiveram algo significativo e valoroso antes”.

Para a especialista, algumas pessoas com autoestima baixa tendem a não acreditar que possam se relacionar de forma satisfatória quando estão com alguém interessante e ainda possam ter seu valor reconhecido, tanto para o seu próprio parâmetro, como perante os outros (familiares e amigos).
Ricotta afirma que essas pessoas parecem duvidar de que sejam capazes de despertar o interesse de alguém tão especial, como se não fossem merecedoras de algo bom. Utilizam o recurso do boicote, que acontece por meio de suas próprias ações, para produzir efeitos negativos, que tendem não só dificultar como trabalhar para o seu rompimento.

”De algum modo, aquele que sabota faz aparecer a figura do terrorista, que aterroriza a própria vida com o objetivo de manter-se na posição daquele que não consegue estabelecer um vínculo gratificante, que poderia ter acontecido caso não colocasse tudo a perder”, completa Ricotta.

Você está sabotando o seu amor quando:
  • Cria obstáculos para o entendimento.
  • Imagina o que não aconteceu, como quem está procurando algo...
  • É volúvel.
  • Testa a paciência do companheiro.
  • Deseja ter limites, pois, com o ato de boicotar, você sempre acaba na pior e se vê justificando depois a posição que está acostumada a ter: de ser sozinha, de manter a fama de briguenta, de manter o alto nível de ciúmes, de fantasiar que será trocada por outra etc.
  • Mantém uma posição padrão no relacionamento, ou seja: que se repete.
  • Você é do tipo que gosta de explosões, um modo de rebaixar a qualidade do vínculo. E de obter de forma equivocada e distorcida uma espécie de resposta quanto ao interesse do outro manter o relacionamento. É um tipo de teste com a finalidade de se sentir querida e em evidência.
  • Forja situações, criando dificuldades com o parceiro.
  • Nutre o fracasso no relacionamento.
Calma. É difícil alguém se comportar dessa maneira propositalmente. São atos inconscientes, mas que ao serem postos em prática tornam-se deflagrados, sem qualquer tipo de dúvida.
Dica

Ao verificar as frequentes queixas do seu parceiro, comece a refletir sobre exageros e situações em que poderia ter lidado de outra forma. Em relacionamentos saudáveis, as pessoas são flexíveis diante das circunstâncias, sem um comportamento rígido e fixo.
Elas assumem

“Sabotagem nos relacionamentos? Imagina, eu nunca fiz isso, eles é que me largaram. Falando sério, eu tenho certeza de que sabotei todos os meus relacionamentos passados apoiada na minha insegurança. Tenho convicção de que ela saía pelos meus poros até ‘intoxicar’ os meus parceiros e eles não conseguirem mais ficar, já que não podiam mais respirar.” - M.B., São Paulo

”Faço exatamente isso. Ficamos bem um mês e depois eu crio um monte de coisas. Talvez por ter sido tão traída, acredito que esteja sendo de novo e mesmo que não saiba de nada, imagino e acredito que aquilo seja verdade. Cheguei a ficar desleixada com a aparência, outra forma de sabotagem.” - G.L.N., Rio de Janeiro

”Eu me saboto totalmente quando se trata de relacionamentos homem x mulher. Descobri junto com minha psicanalista que, se um homem não me rejeita, eu dou um jeito e não sossego até ele me rejeitar. E aí trago homens inacessíveis, indisponíveis e que só fazem mal para minha vida. Descobrir nossa sabotagem é importante, porque agora comecei a prestar mais atenção nas pessoas e, ao mesmo tempo, a me preservar e me respeitar. Até meus amigos que eu tinha afastado estão voltado e com força total.” - R.T., São Paulo


Extraído de: http://estilo.uol.com.br/comportamento/ultnot/2010/10/26/pare-de-sabotar-seus-relacionamentos.jhtm

sábado, 9 de outubro de 2010

Recompensa no Céu




Todo ano, nesta época, a igreja prepara-se para as eleições dos oficias que dirigirão os departamentos no próximo ano. Estava ansioso. Era meu dia da vingança. Neste ano só consegui emplacar dois amigos em cargos de liderança, queria mais, mas fui vencido por grupos rivais. Agora seria diferente, já estava com minha artilharia formada, meu grupo vinha mais forte do que nas últimas eleições. Tomaríamos conta dos principais cargos. A igreja seria do nosso grupo.

Pois é, esta era minha ambição, meu espírito de ir à forra tinha passado do limite do razoável.

Na noite passada fui dormir cantando vitórias nas próximas eleições da igreja. Já tinha contado e recontado, centenas de vezes, o número de departamentos que iríamos ganhar.

Mas no meio da noite tive um sonho. Estava no Céu. Percebi que tudo era ordem, pois funcionava perfeitamente bem. Cada um cumpria fielmente suas funções. Ninguém reclamava. Reconheci a faxineira da igreja, pessoa humilde. Aqui na terra fazia seu trabalho com muita alegria, sem nunca desanimar. No Céu trabalhava no departamento de música, era a principal auxiliar do anjo dirigente!

Pensei comigo: Qual será meu cargo então? Se a faxineira de minha igreja ocupa este cargo aqui, imagina eu! Fui então guiado por meu anjo ao banheiro celeste e, para minha tristeza, fui incubido de limpar e pôr em ordem aquele departamento.

Imediatamente contestei. Por que eu? Não teria outro trabalho mais qualificado?  Quando estava na terra exerci várias funções de destaque na igreja. Fui evangelista. Fundador de igrejas. Conto às centenas o número de pessoas que conduzi aos pés de Cristo. Fui presidente de cargos em nível nacional e internacional da igreja e, agora, aposentado ajudava minha igreja local. Porque eu, para este humilde trabalho? Acho que há algum engano. Protesto veementemente!

Meu anjo, com sorriso nos lábios e amávelmente disse-me: Este encargo é seu, foi determinado para você. Na terra você não aprendeu o que significa ser humilde, nem a confiar em Deus. Você sempre lutou e conseguiu ocupar os cargos que quis. Tinha pessoas mais qualificadas do que você para ocupar cargos ou mesmo para pregar nas reuniões da igreja, mas você sempre passou na frente e rejeitou os outros irmãos. Você só estava preocupado com você e sua carreira. Aqui é diferente. O Senhor do Céu deu-lhe esta missão. É o que de melhor Ele tem pra você. É pegar ou largar. Então mostrou-me os ímpios gemendo no lago de fogo.

Foi então que acordei do pesadelo. E resolvi não mais brigar por cargos dentro da igreja. Resolvi pensar mais no sucesso da igreja do que nos meu sonhos e ambições. Resolvi então orar e confiar na soberania, sabedoria e provimento de Deus, que a tudo vê, tudo sabe e que melhor dirige minha vida e a missão de Sua igreja na terra.



terça-feira, 5 de outubro de 2010

Partido da Sinceridade dos Políticos Tortos - PS do PT



                                             
Pertenço ao Partido da Sinceridade. Quero me eleger e conto com o seu voto. Estou aqui para pedir seu voto. Vote em mim, depois não se preocupe comigo, pois quero resolver meus problemas pessoais. Você que se dane. O povo que se dane. Eu, em primeiro lugar.

Seja omisso, fique em cima do muro. Não conheça minha vida, pra saber quem eu sou, o que eu quero, o que vou fazer quando estiver exercendo os poderes que você me der, através do seu voto. Quero apenas que você ria com minhas piadas, afinal você acha que a vida é “pão e circo!”

Venda seus olhos, não enxergue meus desmandos, não me cobre as promessas da campanha eleitoral, seja negligente e preguiçoso, acovarde-se diante dos meus atos de corrupção. Chame aos meus maus atos de “coisas de políticos” ou “eles são assim mesmos” ou “ninguém dá jeito” Acomode-se, não fique indignado!

Mas você já pensou que tudo que eu fizer de bom ou mau, você será o responsável? Você será meu parceiro nas minhas boas ações e nas minhas más ações você será meu cúmplice, pois eu sou seu representante na alegria e na desgraça. Você me colocou lá!

Quando eu votar projetos contra a moral, os bons costumes e princípios religiosos, você estará votando comigo. Quando eu votar leis que retirem ou diminuam direitos inalienáveis da sociedade, você estará votando comigo.

Quando eu roubar e faltar dinheiro para a saúde de sua família, você será meu cúmplice. Quando eu receber propina e faltar dinheiro para a educação de seus filhos, você será meu cúmplice. Quando eu super avaliar o serviço de uma obra e faltar dinheiro para o saneamento básico da cidade, você será meu cúmplice.

Quando eu receber a propina, “o jabá”, “o por fora”, “o agrado”, “a taxa de sucesso”, “o cala-boca”, “o cafezinho” e faltar dinheiro para os serviços necessários em seu bairro, você não receberá nada, ficará só com o prejuízo. Lembra que você só votou em mim porque também recebeu “um agradozinho?” Sua propina tem nomes vistosos, chamam de: “bolsa não sei de que...”, “favorzinho”, “abriu as portas pra mim”, “quebrou um galho”, “foi uma bênção pra minha família”, “prestou um grande favor ao meu time de coração” etc. Na realidade eu te comprei com meus “favorzinhos” Você se vendeu, se corrompeu, você é igual a mim. Portanto não me amole com suas falsas lições de moral. Finja que não sabe ou não está interessado em nada de política.  
Se eu for pego com a mão na botija do dinheiro corrupto e for preso, não se preocupe, continue deitado na complacência de sua vida egoísta, mas fique sabendo você também estará no banco dos réus comigo.

Se você tiver consciência do voto que me deu, eu serei seu pesadelo mais incômodo, eu o torturarei, lhe causarei insônia, noites maus dormidas, pois se eu roubei, você também é ladrão, se eu matei, você também é assassino, se eu menti, você também é mentiroso, se eu sou corrupto, você também é. 

Mas se você continuar esta pessoa omissa, covarde de sempre, também sua vida não será a maravilha que você espera. O dinheiro roubado, ou como nós políticos gostamos de dizer, a obra foi super avaliada, o dinheiro foi desviado, ele faltará para executar serviços públicos que venha trazer conforto para você e a coletividade. Os serviços públicos em geral serão uma miséria e você sofrerá junto com todos. Não sou culpado sozinho, você que me apoiou, pediu votos pra mim, votou em mim, também é o responsável pelo que eu fizer.

O resultado de tudo é, mesmo que seu voto em mim seja consciente ou omisso, seremos inseparáveis.

Pois no dia do juízo, nos encontraremos, no mesmo banco dos réus, diante de Deus, para receber a recompensa, pois a sentença já foi proferida, que é “foste infiel no pouco, afasta de Mim, para o fogo e ranger de dentes.”

Você ainda quer votar em mim, sem me conhecer, sem saber do meu passado, sem ver minhas propostas, sem ter noção das minhas crenças e princípios?

Que tipo de pessoa você é? Você é igual a mim ou você é melhor do que as mais profundas esperanças que seus pais depositaram em você! Você é um filho de Deus, ou pertence a quem?

Peça a Deus que ilumine você!

Não podemos trabalhar para agradar a homens [e mulheres] que irão empregar sua influência para reprimir a liberdade religiosa e pôr em execução medidas opressivas... O povo de Deus não deve votar para colocar tais homens [e mulheres] em cargos oficiais; pois, assim fazendo, são participantes [cúmplices] nos pecados que eles cometem enquanto investidos desses cargos” (E.G.W  -  Fundamentos da Educação Cristã, p. 475).




Parábola do feijão




O Reino dos Céus é semelhante à dona de casa que escolhe e prepara feijão para a refeição da família.
Ela espalha o feijão sobre a mesa e retira do meio deles os que não são feijão. Retira a palha, as pedrinhas, torrões de barro, grãos que não são feijão e os bichinhos em geral.
Mas tira também os feijões estragados, isto é, os que estão bichados e não prestam mais, os que estão secos e esturricados e os que não correspondem à qualidade daquele tipo de feijão.
Depois de escolhidos lava o feijão várias vezes em água, jogando fora os que estão secos e boiando na água. Após põe o mesmo em panela e cozinha no fogo, com tempero à gosto.
Depois de pronto serve à mesa para a família e os amigos.
Assim é como Deus escolhe e prepara pessoas para o Seu Reino.