quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O Espelho Divino a Santa Lei de Deus



Bem pode ser que ouçam e se convertam, cada um do seu mau caminho; então, Me arrependerei do mal que intento fazer-lhes por causa da maldade das suas ações. Jeremias 26:3


O apóstolo Paulo escreveu: “Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás” (Rm 7:7). [...] A lei que promete vida ao obediente pronuncia morte ao transgressor. “Por conseguinte”, diz ele, “a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom” (v. 12).


Quão grande é o contraste entre essas palavras de Paulo e as palavras que vêm de muitos nos púlpitos de hoje. O povo é ensinado que a obediência à lei de Deus não é necessária para a salvação; que precisam apenas crer em Jesus, e serão salvos. Sem a lei os homens não têm verdadeira convicção do pecado, e não sentem necessidade de arrependimento. Não vendo a sua condição perdida, como transgressores da lei de Deus, não se compenetram da necessidade do sangue expiatório de Cristo como sua única esperança de salvação. [...]


Para enxergar sua culpa, o pecador deve testar seu caráter pelos grandes padrões de justiça de Deus. Para descobrir seus defeitos, deve olhar no espelho dos estatutos divinos. A lei revela ao homem os seus pecados, mas não provê remédio. Unicamente o evangelho de Cristo pode oferecer perdão. Deve ele exercer o arrependimento em relação a Deus, cuja lei transgrediu, e fé em Cristo, seu sacrifício expiatório.


Sem o verdadeiro arrependimento, não pode haver verdadeira conversão. Muitos são enganados aqui, e freqüentemente toda a sua experiência prova ser uma ilusão. Essa é a razão pela qual muitos dos que estão unidos à igreja nunca se uniram a Cristo. [...]


No novo nascimento o coração é renovado pela graça divina , e posto em harmonia com Deus, ao colocar-se em conformidade com a Sua lei. Quando essa poderosa transformação se efetua no pecador, passou ele da morte para a vida, do pecado para a santidade, da transgressão e rebelião para a obediência e lealdade. Terminou a velha vida de afastamento de Deus, começando a nova vida de reconciliação, de fé e amor. Então, “a justiça da lei” se cumpre “em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (v. 4) (SP4, p. 297, 298).

Autora: Ellen G. White


29/12


Nenhum comentário:

Postar um comentário