terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Jesus paga o débito



Ou desprezas a riqueza da Sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento? Romanos 2:4
Entre os discípulos que ministraram a Paulo em Roma estava Onésimo, um escravo fugitivo da cidade de Colosso. Ele pertencia a um cristão chamado Filemom, membro da igreja colossense. Mas ele havia roubado seu mestre e fugido para Roma. [...] Na bondade de seu coração, Paulo procurou aliviar a pobreza e angústia do desventurado fugitivo, e em seguida procurou derramar a luz da verdade em sua mente obscurecida. Onésimo ouviu as palavras da vida, confessou seus pecados e foi convertido à fé em Cristo. Ele agora confessou seu pecado contra o mestre, e com gratidão aceitou o conselho do apóstolo.

Onésimo tornou-se caro a Paulo por sua piedade e sinceridade, não menos que por seu terno cuidado pelo conforto do apóstolo, e seu zelo em promover a obra do evangelho. Paulo viu nele traços de caráter que poderiam torná-lo útil auxiliar no labor missionário, e com alegria o manteria em Roma. Não faria isto, porém, sem o pleno consentimento de Filemom.


Assim ele decidiu que Onésimo deveria voltar ao seu mestre. [...] Era uma severa prova esta para o servo, apresentar-se ao senhor a quem havia lesado, mas havia sido convertido de verdade, e não se furtou a este dever. Paulo tornou Onésimo portador de uma carta a Filemom, na qual, com seu usual tato e bondade, o apóstolo pleiteava a causa do servo arrependido, e manifestava o desejo de retê-lo para seu serviço no futuro. [...]


Ele pediu a Filemom que o recebesse como seu próprio filho. Disse que era seu desejo conservar Onésimo, para que pudesse cumprir a mesma parte de servi-lo em suas algemas, como Filemom o teria feito. Mas não desejaria seus serviços a menos que Filemom, voluntariamente, lhe concedesse a liberdade, pois poderia estar de acordo com a providência divina que Onésimo tivesse deixado seu mestre por algum tempo de modo tão impróprio, para que, sendo convertido, pudesse em seu retorno ser perdoado e recebido com tanta afeição que escolheria habitar com ele para sempre,não como escravo; antes, muito acima de escravo, como irmão caríssimo” (Fm 1:16). [...]


Quão apropriadamente isto ilustra o amor de Cristo. (PAF, p. 284-287).


Autora: Ellen G. White


Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html
25/12

Nenhum comentário:

Postar um comentário