segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Temos um Advogado diante de Deus


Porque assim diz o Senhor Deus, o Santo de Israel: Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação; na tranqüilidade e na confiança, a vossa força. Isaías 30:15


O Senhor reconhecerá cada esforço que faz por alcançar o Seu ideal para com você. Quando comete um erro, quando é traído em pecado, não julgue que não poderá orar, que não é digno de vir perante o Senhor. “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1Jo 2:1). Com os braços abertos aguarda o filho pródigo e o acolhe. [...]

Provações hão de sobrevir. Assim é que o Senhor refina a rudeza de seu caráter. Não murmure. Lamentando-se, torna mais difícil a provação. Honre a Deus com uma submissão bem disposta. Suporte pacientemente a pressão. Ainda que lhe tenha sido feito algum mal, conserve o amor de Deus no coração. [...]

As palavras são impotentes para descrever a paz e a alegria possuídas por aquele que pega a Deus em Sua Palavra. As provações não o perturbam, os desprezos não o afligem. O eu está crucificado. Dia a dia pode-se tornar mais pesados os seus deveres, suas tentações mais fortes, mais rigorosas as suas provações; ele, porém, não vacila; pois recebe força proporcional à sua necessidade (MJ, p. 97, 98).

Cristo, porém, não nos deu garantia alguma de que é fácil alcançar perfeição de caráter. Não se herda caráter perfeito e nobre. Não o recebemos por acaso. O caráter nobre é ganho por esforço individual mediante os méritos e a graça de Cristo. Deus dá os talentos e as faculdades mentais; nós formamos o caráter. É formado por combates árduos e relutantes com o próprio eu. As tendências herdadas devem ser banidas por um conflito após outro. Devemos esquadrinhar-nos detidamente e não permitir que permaneça traço algum incorreto.

Ninguém diga: Não posso corrigir meus defeitos de caráter. Se chegardes a essa decisão, certamente deixareis de alcançar a vida eterna. A impossibilidade está em nossa própria vontade. Se não quiser não vencerá. A dificuldade real vem da corrupção de um coração não santificado, e da involuntariedade de se submeter à direção de Deus (PJ, p. 331).

Autora: Ellen G. White


13/12


Nenhum comentário:

Postar um comentário