sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Arrependimento para salvação



Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte. 2 Coríntios 7:10


O amor de Deus nunca induzirá a fazer parecer insignificante o pecado; nunca encobrirá ou desculpará uma ofensa não confessada. Adão aprendeu demasiado tarde que a lei de Deus, como o seu Autor, é imutável. Tem que ver com todos os nossos atos, pensamentos e sentimentos. Acompanha-nos, e atinge todo motivo secreto de ação. Condescendendo com o pecado, os homens são levados a considerar levianamente a lei de Deus. Muitos escondem suas transgressões dos semelhantes, e se lisonjeiam com o pensamento de que Deus não será estrito em notar a iniqüidade.

Sua lei, porém, é a grande norma de justiça, e com ela deve ser julgado todo ato da vida naquele dia em que Deus trará a juízo toda obra, com tudo quanto é secreto, seja bom, seja mau. A pureza do coração conduzirá à pureza da vida. Vãs são todas as desculpas para o pecado. Quem poderá pleitear pelo pecador quando Deus testificar contra ele? (FF, p. 214).

Genuíno arrependimento provém do senso do caráter repulsivo do pecado. Essas confissões gerais não constituem o fruto de verdadeira submissão diante de Deus. Deixam o pecador com um espírito orgulhoso para prosseguir como antes, até que sua consciência fique endurecida e as advertências que outrora tendiam a despertá-lo dificilmente produzam uma sensação de perigo, e, depois de algum tempo, sua conduta pecaminosa parece ser correta. Quando for demasiado tarde, seus pecados irão desmascará-lo, naquele dia em que nunca mais serão expiados com sacrifício nem com oferta. Há grande diferença entre admitir fatos depois de estarem provados e confessar pecados conhecidos unicamente por nós mesmos e Deus (DD, p. 132).

Acã, o indivíduo culpado, não sentiu o fardo. Aceitou-o com frieza. Nada encontramos no relato que signifique que ele sentiu pesar. [...]

A confissão de Acã, embora tarde demais para prover-lhe qualquer virtude salvadora, inocentava, entretanto, o caráter de Deus em Sua maneira de agir com ele, e fechou a porta da tentação que tão freqüentemente assaltava os filhos de Israel, de encarregarem os servos de Deus da obra que o próprio Deus lhes ordenara que cumprissem (SDABC2, p. 997).


Autora: Ellen G. White


12/12


Nenhum comentário:

Postar um comentário