quarta-feira, 29 de abril de 2009

Caminho Para Cristo



Amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente, pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente. 1 Pedro 1:22, 24, 25


A bendita Bíblia nos dá o conhecimento do grandioso plano da salvação e nos mostra como todo indivíduo pode ter vida eterna. Quem é o autor desse Livro? Jesus Cristo. Ele é a Testemunha Verdadeira, e diz para os que Lhe pertencem: “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das Minhas mãos” (Jo 10:28). A Bíblia deve mostrar-nos o caminho a Cristo, e em Cristo é revelada a vida eterna. Jesus disse aos judeus e aos que se comprimiam ao Seu redor em grandes multidões: “Examinais as Escrituras” (Jo 5:39). Os judeus tinham a Palavra contida no Antigo Testamento; misturaram-na, porém, de tal maneira com as opiniões humanas que suas verdades foram mistificadas, e encoberta a vontade de Deus para com o homem. Os ensinadores religiosos do povo estão seguindo seu exemplo neste século.


Conquanto tivessem as Escrituras que testificavam de Cristo, os judeus não foram capazes de discernir Cristo nas Escrituras; e, embora tenhamos o Antigo e o Novo Testamentos, os homens torcem as Escrituras para escapar de suas verdades; e, em suas interpretações das Escrituras, eles ensinam – como o faziam os fariseus – os preceitos e as tradições dos homens em lugar dos mandamentos de Deus. [...]


Seu sermão na montanha contradisse virtualmente as doutrinas dos presunçosos escribas e fariseus. Eles haviam representado tão mal a Deus que Ele era considerado um juiz severo, destituído de compaixão, misericórdia e amor. Apresentavam ao povo inumeráveis preceitos e tradições como procedentes de Deus, embora não tivessem um “Assim diz o Senhor” por sua autoridade. Conquanto professassem conhecer e adorar o Deus vivo e verdadeiro, desfiguravam-nO completamente; e o caráter de Deus, da maneira como era retratado por Seu Filho, constituía um assunto original, uma nova dádiva ao mundo. Cristo fez todo o esforço possível para remover de tal modo a deturpação feita por Satanás, que pudesse ser restabelecida a confiança do homem no amor de Deus (FEC, p. 308, 309).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


28/04


terça-feira, 28 de abril de 2009

Entendendo a Palavra de Deus



O coração sábio procura o conhecimento, mas a boca dos insensatos se apascenta de estultícia. Provérbios 15:14


Ninguém pode examinar o Antigo e o Novo Testamentos no espírito de Cristo sem ser recompensado. “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados”, diz o Salvador, “e Eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o Meu jugo [de obediência] e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve” (Mt 11:28-30). O convite do grande Mestre lhe é feito. Você o atenderá prontamente? Não poderá se aproximar, colocar-se como discípulo aos pés de Cristo, sem ter a mente iluminada e o coração acelerado com uma admiração pura e santa. Você então dirá: “Bendito o que vem em nome do Senhor!” (Mc 11:9).


A desobediência tem cerrado a porta a uma grande soma de conhecimentos que podiam ser obtidos das Escrituras. Compreensão significa obediência aos mandamentos de Deus. Se os homens tivessem sido obedientes, teriam compreendido o plano do governo divino. O mundo celeste teria aberto à exploração suas câmaras de graça e glória. Na forma, na linguagem, no cântico, os seres humanos teriam sido inteiramente superiores ao que hoje são; porque, explorando as minas da verdade, os homens seriam enobrecidos. O mistério da salvação, a encarnação de Cristo, Seu sacrifício expiatório não seriam, como o são agora, noções vagas em nossa mente. Não somente seriam mais bem compreendidos, como infinitamente mais apreciados.


Na eternidade aprenderemos aquilo que, se houvéssemos recebido a iluminação que nos era possível obter aqui, teria aberto nosso entendimento. Os temas da redenção ocuparão o coração, mente e língua dos redimidos ao longo das eras eternas, ao ser-nos reveladas novas explanações, as quais Cristo ansiou abrir a Seus discípulos, mas eles não tiveram fé para esquadrinhar e compreender. Para sempre e sempre surgirão novas visões da perfeição e glória de Cristo (RH, 3/7/1900).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


27/04)


segunda-feira, 27 de abril de 2009

Verdadeira Educação



Adquire a sabedoria, adquire o entendimento e não te esqueças das palavras da minha boca, nem delas te apartes. Provérbios 4:5


Não há tempo agora para encher a mente com idéias falsas do que é chamado de educação superior. Não pode haver educação mais elevada do que aquela vinda do Autor da verdade. A Palavra de Deus deve ser nosso estudo. Devemos instruir nossos filhos nas verdades nela encontradas. É um deposito inesgotável; mas os homens deixam de achar esse tesouro, porque não o procuram até adquiri-lo. Nesta Palavra é encontrada a sabedoria, sabedoria inquestionável e inexaurível que não se originou na mente finita, mas na mente infinita.


Quando homens e mulheres estão dispostos a ser instruídos como criancinhas, quando se submetem completamente a Deus, encontram nas Escrituras a ciência da educação. Quando mestres e alunos descerem de seus pedestais e ingressarem na escola de Cristo para dEle aprender, falarão inteligentemente de alta educação, porque compreenderão que é esse conhecimento que habilita o homem a compreender a essência da ciência.


Aquele que quiser procurar o tesouro oculto com bom êxito precisa buscar atividades mais elevadas que as coisas deste mundo. Suas afeições e todas as suas capacidades precisam ser consagradas à pesquisa. Homens piedosos e de talento vislumbram as realidades eternas; porém, muitas vezes deixam de compreendê-las porque as coisas visíveis eclipsam a glória do invisível. Por muitos a sabedoria dos homens é considerada superior à do divino Mestre, e o Livro de Deus é julgado arcaico e desinteressante. Mas os que foram vivificados pelo Espírito Santo não o consideram assim. Vêem o inestimável tesouro e venderiam tudo para comprar o campo que o encerra. [...]


Aqueles que fazem da Palavra de Deus o seu estudo, aqueles que cavam em busca dos tesouros da verdade, apreciarão os importantes princípios ensinados e os digerirão. Como resultado, se tornarão imbuídos pelo Espírito de Cristo e pela contemplação serão transformados à Sua semelhança. Aqueles que apreciam a Palavra ensinarão como discípulos que estiveram assentados aos pés de Jesus e se acostumaram a aprender dEle para conhecerem Aquele a quem conhecer corretamente é vida eterna (RH, 3/7/1900).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html

26/04)


Banquete Espiritual




Quanto a vós outros, a unção que dEle recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é falsa, permanecei nEle, como também ela vos ensinou. 1 João 2:27


Creiamos na Palavra. Quem assim come o Pão do Céu é nutrido diariamente e saberá o que significam estas palavras: “Não tendes necessidade de que alguém vos ensine” (1Jo 2:27). Temos lições puras saídas dos lábios dAquele a quem pertencemos, dAquele que nos comprou com o preço de Seu sangue.


A preciosa Palavra de Deus é um sólido fundamento sobre que se pode construir. Quando os homens se acercam de vocês com suas suposições, digam-lhes que o Grande Mestre lhes deixou Sua Palavra, a qual é de incalculável valor, e que Ele enviou um Consolador em Seu nome, a saber: o Espírito Santo. “Esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (Jo 14:26). “Eu sou o pão vivo que desceu do Céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que Eu darei pela vida do mundo é a Minha carne” (Jo 6:51).


Aí nos é apresentado um rico banquete, do qual podem participar todos os que crêem em Cristo como Salvador pessoal. Ele é a Árvore da Vida para todos quantos continuam a alimentar-se dEle.


Fui instruída a perguntar aos que professam receber a Cristo como seu Salvador pessoal: Por que ignoram as palavras do Grande Mestre, e enviam cartas a seres humanos para receber palavras de conforto? Por que confiam na ajuda humana quando têm as promessas abundantes, plenas e maravilhosas. “Quem comer a Minha carne e beber o Meu sangue permanece em Mim, e Eu, nele. Este é o pão que desceu do Céu, em nada semelhante àquele que os vossos pais comeram e, contudo, morreram; quem comer este pão viverá eternamente” (Jo 6:56, 58). Eles podem morrer, contudo a vida de Cristo neles é eterna, e eles serão ressuscitados no último dia. “O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” (v. 63). [...]


Sou instruída pela Palavra de Deus de que Suas promessas são para mim e para todo filho de Deus. O banquete está estendido diante de nós; somos convidados a comer a Palavra de Deus, a qual fortalecerá os músculos e nervos (MR21, p. 132, 133).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


25/04)


Comunhão Através da Palavra



Corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus. Hebreus 12:1, 2


Nenhum homem, mulher, ou jovem, pode alcançar a perfeição cristã negligenciando o estudo da Palavra de Deus. Mediante profundo e cuidadoso exame de Sua Palavra obedeceremos à exigência de Cristo: “Examinai as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam” (Jo 5:39). Esse exame habilita o estudante a observar intimamente o divino Modelo, pois as Escrituras testificam de Cristo. O padrão deve ser examinado muitas vezes e cuidadosamente a fim de ser imitado.


Ao tornar-se alguém relacionado com a história do Redentor, descobre em si mesmo defeitos de caráter; sua dessemelhança com Cristo é tão grande que ele sente não poder ser um seguidor sem que se opere grande mudança em sua vida. Estuda ainda assim, com o desejo de ser semelhante ao seu grande modelo; absorve a expressão fisionômica, o espírito, de seu amado Mestre; por contemplá-Lo, torna-se mudado. “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé” (Hb 12:2). Não é em desviar o olhar dEle e perdê-Lo de vista que imitamos a vida de Jesus; mas em nos demorarmos meditando sobre Ele e falando dEle, e em buscar refinar o gosto e elevar o caráter; procurando aproximar-nos do perfeito Padrão através de perseverante e sincero esforço, por meio de fé e amor.


Ao fixar a atenção em Cristo, Sua imagem pura e impecável torna-se sagrada ao coração como “o mais distinguido entre dez mil” e “totalmente desejável” (Ct 5:10, 16). Mesmo inconscientemente imitamos aquilo com que estamos familiarizados. Tendo conhecimento de Cristo, de Suas palavras, de Seus hábitos, de Suas instruções, e tomando emprestadas as virtudes do caráter que tão rigorosamente estudamos, seremos imbuídos do espírito do Mestre o qual tanto admiramos. [...]


A Palavra de Deus, falada ao coração, tem um vivificante poder, e os que formulam qualquer desculpa para não se familiarizar com ela, negligenciarão as reivindicações de Deus em muitos aspectos. O caráter ficará deformado, as palavras e atos serão um descrédito à verdade (RH, 28/11/1878).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


24/04)


domingo, 26 de abril de 2009

O Fundamento da Fé



Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança. Romanos 15:4


Os mestres de Israel não disseminavam a semente da Palavra de Deus. A obra de Cristo como Mestre da verdade estava em notável contraste com a dos rabinos do Seu tempo. Eles se firmavam sobre tradições, teorias humanas e especulações. Muitas vezes aquilo que homens tinham ensinado ou escrito sobre a Palavra, colocavam no lugar da própria Palavra. Seus ensinos não tinham poder para refrigerar a alma.


O tema das pregações e ensinamentos de Cristo era a Palavra de Deus. Respondia a interlocutores com um simples: “Está escrito” (Lc 4:8, 10). “Que diz a Escritura?” “Como lês?” (Lc 10:26). Em cada oportunidade, quando era despertado interesse por um amigo ou adversário, lançava a semente da Palavra. [...]


Os servos de Cristo devem fazer a mesma obra. Em nosso tempo, como na antiguidade, as verdades vitais da Palavra de Deus são substituídas por teorias e especulações humanas. Muitos professos ministros do evangelho não aceitam toda a Bíblia como a Palavra inspirada. Um sábio rejeita esta parte, outro duvida daquela. Elevam sua opinião acima da Palavra; e as Escrituras que eles ensinam repousam sobre a autoridade deles próprios. Sua autenticidade divina é destruída. Desse modo é semeada largamente a semente da incredulidade; porque o povo é confundido e não sabe o que crer. Há muitas crenças que a mente não tem o direito de entreter.


Nos dias de Cristo os rabinos forçavam uma construção mística sobre muitas porções das Escrituras. Porque os claros ensinos da Palavra de Deus lhes condenavam as práticas, procuravam destruir-lhes a força. O mesmo acontece hoje em dia. Deixa-se parecer a Palavra de Deus cheia de mistérios e trevas, para desculpar as transgressões de Sua lei. Em Seus dias, Cristo censurava essas práticas. Ensinava que a Palavra de Deus deve ser compreendida por todos. Apontava às Escrituras como de autoridade inquestionável, e devemos fazer o mesmo. A Bíblia deve ser apresentada como a Palavra do Deus infinito, como o termo de toda polêmica e o fundamento de toda fé (PJ, p. 38-40).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


23/04)


sábado, 25 de abril de 2009

A Iluminação do Espírito Santo



Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim. Atos 17:11


“Examinais as Escrituras”, declarou Cristo, “porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam” (Jo 5:39). Os que cavam abaixo da superfície descobrem às escondidas pedras preciosas da verdade. O Espírito Santo acha-Se presente com o sincero indagador. Sua iluminação resplandece sobre a Palavra, gravando a verdade na mente com nova importância. O pesquisador enche-se de um senso de paz e alegria nunca antes experimentadas. A preciosidade da verdade é compreendida como nunca antes. Uma nova luz celeste brilhe sobre a Palavra, iluminando-a como se cada letra se tingisse de ouro. O próprio Deus falou à mente e ao coração, tornando a Palavra espírito e vida.


Todo sincero pesquisador da Palavra ergue o coração a Deus, implorando o auxílio do Espírito. E descobre em breve aquilo que o leva acima de todas as fictícias declarações do pretenso mestre, cujas teorias fracas e vacilantes não são apoiadas pela Palavra do Deus vivo. Essas teorias foram inventadas por homens que não aprenderam a primeira grande lição de que o Espírito e a vida de Deus Se encontram em Sua Palavra. Caso houvessem recebido no coração o elemento eterno contido na Palavra de Deus, veriam quão débeis e inexpressivos são todos os esforços para arranjar algo novo que cause sensação. Eles necessitam aprender mesmo os elementares princípios da Palavra de Deus; teriam então a palavra de vida para o povo, que distinguirá em breve a palha do trigo, pois Jesus deixou Sua promessa com os discípulos. [...]


“Deixo-vos a paz, a Minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo” (Jo 14:27). Essas palavras não são inteiramente compreendidas por indivíduos, famílias, ou membros da igreja, para quem ou por quem, como Sua família, Deus representaria a verdade pura, não adulterada, que quando recebida e devidamente digerida, traz vida eterna (MR21, p. 131, 132).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


22/04)


sexta-feira, 24 de abril de 2009

Experiências Emocionantes




Então, lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras. Lucas 24:45


Abra a Bíblia à nossa juventude, atraia-lhes a atenção a seus tesouros ocultos, ensine-os a pesquisar em busca de suas jóias de verdade, e irão adquirir um vigor intelectual que o estudo de tudo quanto a Filosofia abrange não poderia comunicar. Os grandes temas de que trata a Bíblia, a digna simplicidade de suas inspiradas declarações, os assuntos elevados que apresenta à mente, a luz penetrante e clara, procedente do trono de Deus, iluminando o entendimento, irão desenvolver-lhes as faculdades da mente a um ponto que mal pode ser compreendido, e nunca plenamente explicado.


A Bíblia apresenta à imaginação ilimitado campo, tão mais elevado e enobrecedor no caráter do que as superficiais criações da inteligência não santificada, quanto o céu está mais alto que a Terra. A inspirada história de nossa raça é colocada nas mãos de todo indivíduo. Todos podem começar agora seu estudo. Podem-se relacionar com nossos primeiros pais, como se encontravam no Éden, em santa inocência, fruindo comunhão com Deus e anjos sem pecado. Podem seguir os passos da introdução do pecado e suas conseqüências sobre a humanidade, e seguir passo a passo, o trilho da Sagrada História, em sua narração da desobediência e impenitência do homem e a justa retribuição do pecado.


O leitor pode entreter conversa com patriarcas e profetas; pode acompanhar as mais inspiradoras cenas; contemplar a Cristo, que era Rei do Céu, igual a Deus, descendo até a humanidade e executando o plano de redenção, despedaçando ao homem as cadeias com que Satanás o ligara, e tornando-lhe possível readquirir sua varonilidade à semelhança de Deus. Cristo tomando sobre Si a humanidade, e mantendo-Se ao nível do homem por trinta anos e oferecendo depois Sua alma em sacrifício pelo pecado para que o homem não fosse deixado a perecer, eis um tema para o mais profundo pensamento e o mais concentrado estudo. [...]


Muitos podem ter desfrutado da educação escolar e podem ter se familiarizado com os grandes escritores de teologia; no entanto, a verdade abrirá a mente e a impressionará com novo e surpreendente poder, à medida que a Palavra de Deus for pesquisada e considerada com desejo sincero e fervoroso de compreendê-la (RH, 11/1/1881).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


21/04


quinta-feira, 23 de abril de 2009

Grandes Temas das Escrituras



Escreverá para si um traslado desta lei num livro. [...] E o terá consigo e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer o Senhor, seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei e estes estatutos. Deuteronômio 17:18, 19


A leitura leviana fascina a mente e torna desinteressante a leitura da Palavra de Deus. [...] A Bíblia requer pesquisa atenta, apoiada por oração. Não basta deslizar sobre a superfície. Ao passo que algumas passagens são tão claras que não podem ser mal compreendidas, outras há que são mais complicadas, exigindo cuidadoso e paciente estudo. Qual precioso metal oculto nos montes e montanhas, suas gemas de verdade precisam ser procuradas e entesouradas na mente para uso futuro. [...]


Quando pesquisar as Escrituras com fervoroso desejo de aprender a verdade, Deus lhe comunicará Seu Espírito ao coração e lhe impressionará a mente com a luz de Sua Palavra. A Bíblia é seu próprio intérprete, uma passagem explicando a outra. Mediante a comparação de textos referentes aos mesmos assuntos, você verá beleza e harmonia com que nunca sonhou. Não há nenhum outro livro cujo manuseio fortaleça e amplie, eleve e enobreça tanto o espírito como o Livro dos livros.


A ordem da Palavra de Deus é: “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a Sua boa vontade” (Fp 2:12, 13). Deus e o ser humano devem cooperar. Todos devem executar aquilo em que Deus atua. Os estudantes da Palavra de Deus devem usar o conhecimento que adquiriram. Devem tirar proveito das oportunidades que são colocadas em seu caminho. Com firme convicção do dever, devem usar seu conhecimento e influência em qualquer meio, a fim de que possam ganhar mais através do seu uso. [...]


Estude a vida de Cristo neste respeito. Siga-O da manjedoura ao Calvário, e aja como Ele agiu. Os grandes princípios que Ele manteve, você deve manter. Seu modelo deve ser o caráter dAquele que foi puro, santo, e imaculado (YI, 30/6/1898).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html



A Norma do Julgamento



Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más. Eclesiastes 12:14


A Bíblia é um infalível guia para a raça humana em cada fase da vida. Nela as condições para a vida eterna são claramente declaradas. A distinção entre o certo e o errado é plenamente definida, e o pecado é mostrado em seu mais repulsivo caráter, coberto com o manto da morte. Se esse guia for estudado e obedecido, será para nós como o pilar de nuvem, que guiava os filhos de Israel pelo deserto; mas se for ignorado e desobedecido, será uma testemunha contra nós no dia do juízo. Deus julgará a todos pela Sua Palavra; dependendo do modo como têm cumprido ou negligenciado seus requisitos, permanecerão em pé ou cairão. [...]


“Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam,” disse Cristo, “assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas” (Mt 7:12). Essas palavras são da maior importância, e devem ser a nossa regra de vida. Mas cumprimos nós este princípio divino? Quando entramos em contato com nossos amigos, os tratamos da mesma forma como desejamos que nos tratem em circunstâncias semelhantes?


Deus prova homens e mulheres por sua vida diária. Mas muitos que fazem grandes votos de serviço a Ele não podem suportar essa prova. Em sua ânsia por ganhar, usam medidas falsas e balanças fraudulentas. A Bíblia não é considerada sua regra de vida, e portanto não vêem a necessidade de estrita integridade e fidelidade. Ansiosos por acumular riquezas, permitem que planos desonestos ocorram em seu trabalho. O mundo observa sua conduta, e prontamente mede seus valores cristãos por suas relações comerciais. [...]


A Bíblia sempre conta a mesma história. Nela, o pecado é sempre pecado, quer seja cometido por um milionário ou por um mendigo nas ruas. Melhor é uma vida de profunda pobreza coroada com bênçãos de Deus do que todos os tesouros do mundo sem as bênçãos de Deus. Podemos ser muito ricos; mas se não temos a consciência de que Deus nos honra, somos de fato pobres (ST, 24/12/1896).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


19/04)


quarta-feira, 22 de abril de 2009

Conversão Verdadeira




Esdras tinha disposto o coração para buscar a Lei do Senhor, e para a cumprir, e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. Esdras 7:10


Descendente dos filhos de Arão, Esdras havia recebido a educação sacerdotal; e em acréscimo a isto adquiriu familiaridade com os escritos dos magos, astrólogos e sábios do reino medo-persa. Mas não se sentiu satisfeito com sua condição espiritual. Suspirava por estar em plena harmonia com Deus; ansiava sabedoria para fazer a vontade divina. E assim preparou “o seu coração para buscar a lei do Senhor e para a cumprir” (Ed 7:10).


Isto o levou a aplicar-se diligentemente ao estudo da história do povo de Deus, como se encontra relatado nos escritos dos profetas e reis do Antigo Testamento. Ele foi impressionado pelo Espírito de Deus a estudar os livros históricos e poéticos da Bíblia, a fim de compreender por que tinha o Senhor permitido que Jerusalém fosse destruída e Seu povo levado cativo a terras pagãs.


Esdras fez um estudo especial das experiências do povo escolhido de Deus, desde o tempo em que a promessa foi feita a Abraão, até a libertação da escravidão egípcia e do êxodo. Estudou as instruções dadas a eles ao pé do Monte Sinai, e através do longo período de vagueação pelo deserto. Ao aprender mais e mais em relação ao procedimento de Deus para com Seus filhos, e perceber quão sagrada era a lei dada no Sinai, o coração de Esdras foi impressionado como nunca antes. Ele experimentou uma nova e completa conversão, e se determinou dominar os registros da História do Antigo Testamento, para que pudesse usar esse conhecimento, não para propósitos egoístas, mas de modo a levar bênção e luz ao seu povo. Algumas das profecias estavam prestes a se cumprir; ele pesquisaria diligentemente em busca da luz que estivera obscurecida.


Esdras se esforçou em seus estudos. Ele se empenhou em obter um preparo do coração para a obra que acreditava ter-lhe sido confiada. Buscou a Deus fervorosamente, para que pudesse ser um servo por meio do qual seu Senhor não seria envergonhado. Explorou as palavras que haviam sido escritas acerca dos deveres do povo escolhido de Deus; encontrou o solene voto feito pelos israelitas de que obedeceriam às palavras do Senhor, e o voto que Deus, em retorno, fizera, prometendo-lhes Suas bênçãos como recompensa pela obediência (RH, 30/1/1908).



Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


18/04)


terça-feira, 21 de abril de 2009

A Voz de Deus Através da Palavra



Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus. Mateus 22:29



A voz de Deus nos está falando por meio de Sua Palavra, e há muitas vozes que serão ouvidas por nós; mas Cristo afirmou que devemos acautelar-nos dos que dirão: “Eis aqui o Cristo, ou: Ei-Lo ali” (Mc 13:21). Por conseqüência, como saberemos que eles não têm a verdade, a não ser que levemos tudo às Escrituras? Cristo recomendou que nos acautelemos dos falsos profetas que se nos apresentam em Seu nome, dizendo que eles são o Cristo.


Ora, se vocês adotassem o ponto de vista de que não é importante compreender as Escrituras por si mesmos, estariam em perigo de ser desencaminhados por essas doutrinas. Cristo disse que haverá um grupo de pessoas que dirá no dia do juízo executivo: “Senhor, Senhor, não profetizamos nós em Teu nome? E, em Teu nome, não expulsamos demônios? E, em Teu nome, não fizemos muitas maravilhas?” (Mt 7:22). Mas Cristo responderá: “Apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniqüidade” (v. 23).


Pois bem, precisamos compreender o que é o pecado – a saber, que ele é a transgressão da lei de Deus. Essa é a única definição dada nas Escrituras. Vemos, portanto, que os que pretendem ser guiados por Deus, mas se afastam dEle e de Sua lei, não examinam as Escrituras. O Senhor, porém, guiará a Seu povo; pois Ele diz que Suas ovelhas O seguirão se ouvirem Sua voz, mas não seguirão o estranho. Portanto, compete-nos compreender profundamente as Escrituras. E não precisaremos indagar se os outros têm a verdade, pois isso será visto em seu caráter.


Aproxima-se o tempo em que Satanás operará milagres bem à sua vista, alegando ser o Cristo; e se os seus pés não estiverem firmemente estabelecidos na verdade de Deus, serão então desviados de seu fundamento. A única segurança para vocês está em buscar a verdade como a tesouros escondidos. Cavem em busca da verdade como o fariam por tesouros na Terra, e apresentem a Palavra de Deus, a Bíblia, perante seu Pai celestial, dizendo: “Ilumina-me; ensina-me o que é verdade.” E quando Seu Santo Espírito entrar em seu coração, para inculcar a verdade em sua alma, não a deixarão sair com facilidade (FO, p. 55, 56).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


17/04)


Ler e Investigar



Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de Mim. João 5:39


Somos muito gratos porque temos a segura palavra profética, de modo que nenhum de nós precisa ser enganado. Sabemos que no tempo presente há heresias e fábulas em nosso mundo, e precisamos saber o que é a verdade. Compete-nos estudar diligentemente por nós mesmos, para que possamos obter esse conhecimento. Não podemos fazê-lo com a simples leitura das Escrituras, mas precisamos comparar uma passagem com outra.


Precisamos examinar as Escrituras por nós mesmos, para que não sejamos desencaminhados; e embora muitos sejam desencaminhados porque em nosso mundo há doutrinas de todo o tipo, existe uma só verdade. Muitos poderão aproximar-se de vocês e dizer-lhes que têm a verdade, mas é seu privilégio examinar as Escrituras por si mesmos. “À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva” (Is 8:20). Precisamos conhecer as Escrituras por nós mesmos, para que possamos compreender a verdadeira razão da esperança que há em nós.


O apóstolo nos diz que devemos dar a todo aquele que nos pedir, a razão da esperança que há em nós, com mansidão e temor. “A revelação das Tuas palavras esclarece e dá entendimento aos simples” (Sl 119:130). Não basta ler meramente; mas a Palavra de Deus precisa penetrar em nosso coração e em nosso entendimento, para que sejamos firmados na bendita verdade. Se deixarmos de examinar as Escrituras por nós mesmos, para sabermos o que é a verdade, então, se formos desencaminhados, seremos responsáveis por isso. Precisamos examinar as Escrituras diligentemente, para que saibamos todas as condições que o Senhor nos deu; e se a nossa capacidade mental é limitada, examinando diligentemente a Palavra de Deus podemos tornar-nos poderosos nas Escrituras e explicá-las a outros. [...]


Cada igreja que será construída [...] deve ser educada em relação a essa verdade. “A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Lc 10:2). Os professores que devem apresentar a verdade não podem permanecer ao seu lado para se certificarem de que vocês não sigam os erros que estão inundando a nossa terra; mas se estão firmados nas Escrituras, sentirão a responsabilidade, e examinarão as Escrituras por si mesmos, de modo que sejam um auxílio para outros (RH, 3/4/1888).


Autora: WEllen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


16/04)


segunda-feira, 20 de abril de 2009

Tempo de Provas


Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina. [...] Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Efésios 4:14, 15


O Senhor pede a Seu povo que desenvolva os talentos que lhes tem concedido. As faculdades mentais devem ser desenvolvidas ao máximo; devem ser fortalecidas e enobrecidas mediante o demorar-se em verdades espirituais. Se a mente é permitida ocupar-se quase inteiramente em coisas frívolas e em negócios comuns da vida cotidiana, ela, de acordo com uma de suas invariáveis leis, se tornará débil e frívola, e deficiente em poder espiritual.


Estão justamente diante de nós tempos que irão provar o coração dos homens, e os que são fracos na fé não resistirão à prova daqueles dias de perigo. As grandes verdades da revelação devem ser estudadas cuidadosamente, pois todos teremos necessidade de um conhecimento inteligente da Palavra de Deus. Mediante o estudo da Bíblia e a diária comunhão com Jesus alcançaremos pontos de vista claros, bem definidos, da responsabilidade individual e a força necessária para subsistir no dia da prova e da tentação. Aquele cuja vida está unida a Cristo por elos ocultos será guardado pelo poder de Deus, mediante a fé para salvação.



Mais atenção deve ser dada às coisas divinas, e menos a assuntos temporais. O crente professo, amante do mundo, se utilizar a mente nessa direção, pode tornar-se tão familiarizado com a Palavra de Deus como o é hoje com os negócios do mundo. “Examinais as Escrituras”, disse Cristo, “porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam” (Jo 5:39).

Requer-se do cristão que seja diligente em examinar as Escrituras lendo e relendo sempre as verdades da Palavra de Deus. A ignorância voluntária neste assunto põe em perigo a vida e o caráter cristãos. Cega o entendimento e corrompe as faculdades mais nobres. É isso que traz confusão à nossa vida. Nosso povo precisa compreender a Palavra de Deus. Muitos carecem de um conhecimento sistemático dos princípios da verdade revelada, que os habilitará para o que há de vir sobre a Terra e os impedirá de serem desviados por algum vento de doutrina (T5, p. 272, 273).



Autora: Ellen G. White



Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html



15/04)

Estudo objetivo da Bíblia





Guia-me na Tua verdade e ensina-me, pois Tu és o Deus da minha salvação, em quem eu espero todo o dia. Salmo 25:5



É perigoso tentar fortalecer nosso próprio braço. Devemos depender dos braços do poder infinito. Deus nos tem revelado isso durante muitos anos. Devemos ter fé viva em nosso coração e buscar conhecimento mais amplo e luz superior.



Não confiem na sabedoria de nenhuma pessoa, ou na investigação de qualquer pessoa. Vão às Escrituras por si mesmos, examinem as inspiradas Escrituras com coração humilde, abandonem suas opiniões preconcebidas, pois não obterão beneficio a menos que venham à Palavra de Deus como crianças. Vocês devem dizer: “Se Deus tem algo para mim, eu o quero. Se Deus deu evidência em Sua Palavra, para esta ou aquela pessoa, de que uma certa coisa é verdade, Ele a dará a mim. Posso descobrir essa evidência se examinar as Escrituras com constante oração, e saberei que conheço o que é verdade.”



Você não precisa pregar a verdade como um produto da mente de outra pessoa; você deve ter sua própria experiência. Quando a mulher de Samaria foi convencida de que Jesus era o Messias, mais do que depressa foi contar aos vizinhos e concidadãos. Ela disse: “Vinde comigo e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será este, porventura, o Cristo?! Saíram, pois, da cidade e vieram ter com Ele. [...] Muitos samaritanos daquela cidade creram nEle, em virtude do testemunho da mulher, que anunciara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. [...] Muitos outros creram nEle, por causa da Sua palavra, e diziam à mulher: Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo” (Jo 4:29, 30, 39, 41, 42). [...]



Precisamos inserir a pá profundamente na mina da verdade. Vocês podem debater as questões consigo mesmos e uns com os outros, se tão-somente o fizerem no devido espírito; com demasiada freqüência, porém, o próprio eu é grande, e logo que começa a pesquisa, é manifestado um espírito não cristão. Isto é precisamente aquilo em que Satanás se deleita, mas deveríamos chegar-nos com um coração humilde para conhecer por nós mesmos o que é a verdade. Aproxima-se o tempo em que seremos separados e espalhados, e cada um de nós terá de permanecer em pé sem o privilégio da comunhão com os da mesma fé preciosa; e como poderão ficar em pé, a menos que Deus esteja ao seu lado e saibam que Ele os está dirigindo e guiando? Sempre que somos levados a investigar a verdade bíblica, o Mestre das assembléias está conosco. O Senhor não permite que o navio seja governado um só momento por pilotos ignorantes. Podemos receber nossas ordens do Capitão de nossa salvação (RH, 25/3/1890).



Autora: Ellen G. White




sexta-feira, 17 de abril de 2009

A Bíblia e o Intelecto




Toda palavra de Deus é pura; Ele é escudo para os que nEle confiam. Nada acrescentes às Suas palavras, para que não te repreenda, e sejas achado mentiroso. Provérbios 30:5, 6


A responsabilidade agora é convencer as pessoas sobre a verdade. Isto pode ser feito melhor por esforços pessoais, pelo introduzir a verdade em seus lares, orando com eles e abrindo-lhes as Escrituras.


Os que fazem esse trabalho devem ser tão cuidadosos para não se tornarem estereotipados em seu plano de trabalho quanto o ministro que trabalha no escritório. Devem estar constantemente aprendendo. Devem ter um zelo consciencioso para obter as mais elevadas qualificações, tornando-se ágeis nas Escrituras. [...] Devem cultivar o hábito do estudo cuidadoso e da atividade mental, dedicando-se à oração e ao diligente estudo das Escrituras. Muitos são culpados de falhar nesse ponto. Os apelos de Deus a eles não são poucos, mas se contentam com a limitada compreensão que possuem das Escrituras, e não buscam melhorar a mente nem a conduta.


Todo argumento em história profética, toda lição prática dada por Cristo, devem ser cuidadosamente estudados para que jamais sejam encontrados em falta. A mente ganha força, amplitude e intensidade por meio da atividade. Ela deve ser colocada para trabalhar, caso contrário se enfraquecerá. Deve ser treinada a pensar, pensar habitualmente ou, em grande medida, perderá a capacidade de pensar. Deixe a mente lutar com os problemas difíceis da Palavra de Deus, e o intelecto será inteiramente despertado para expressar, não discursos inferiores, mas discursos fortes e edificantes, e estes serão apresentados no fervor de uma mente ativa.


Os servos de Cristo devem satisfazer o mais elevado padrão. São educadores e devem ser completamente hábeis nas Escrituras. [...] O estudo da Bíblia esforça a mente do obreiro, fortalece a memória, e estimula o intelecto mais que o estudo de todas as matérias que a filosofia abrange. A Bíblia contém a única verdade que purifica a alma e é o melhor livro para a cultura intelectual. A nobre simplicidade com a qual ela lida com doutrinas importantes é exatamente o que cada jovem e cada servo de Cristo precisa para ensiná-lo a apresentar os mistérios da salvação aos que estão em trevas (RH, 8/12/1885).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


13/04)


Examinando as Crenças



Apliquei-me a conhecer, e a investigar, e a buscar a sabedoria e o juízo de tudo, e a conhecer que a perversidade é insensatez e a insensatez, loucura. Eclesiastes 7:25


Tem-me sido mostrado que muitos dos que professam a verdade presente não sabem o que crêem. Não compreendem as provas de sua fé. Não apreciam devidamente a obra para este tempo. Homens que agora pregam a outros, ao examinarem, quando chegar o tempo de angústia, a posição em que se encontram, verificarão que há muitas coisas para as quais não podem dar uma razão satisfatória. Até serem assim provados, desconheciam sua grande ignorância.


E há na igreja muitos que contam por certo que compreendem aquilo em que crêem, mas que, até surgir uma discussão, ignoram sua fraqueza. Quando separados dos da mesma fé, e forçados a estar sozinhos e expor por si mesmos sua crença, ficarão surpresos de ver quão confusas são suas idéias sobre o que têm aceitado como verdade. É certo que tem havido entre nós um afastamento do Deus vivo e um voltar-se para os homens, pondo a sabedoria humana em lugar da divina.


Deus despertará Seu povo; se outros meios falharem, se introduzirão entre eles heresias, as quais os peneirarão, separando a palha do trigo. O Senhor chama todos os que crêem em Sua Palavra, para que despertem do sono. Tem vindo uma preciosa luz, apropriada aos nossos dias. É a verdade bíblica, mostrando os perigos que se acham mesmo despencando sobre nós. Essa luz nos deve levar a um diligente estudo das Escrituras, e a um mais atento exame crítico das posições que mantemos. É vontade de Deus que todos os fundamentos e posições da verdade sejam acurada e perseverantemente investigados, com oração e jejum. Os crentes não devem ficar em suposições e mal definidas idéias do que constitui a verdade. Sua fé deve estar firmemente estabelecida sobre a Palavra de Deus, de maneira que, quando o tempo de prova chegar, e eles forem levados perante os concílios para responder por sua fé, sejam capazes de dar uma razão para a esperança que neles há, com mansidão e temor. [...]


Quanto aos que se preparam para debates, há grande perigo de que eles não lidem com sensatez em relação à Palavra de Deus. Ao enfrentar um adversário, deve ser nosso mais sincero esforço apresentar os assuntos de maneira tal que despertemos a convicção em seu espírito, em vez de procurar meramente inspirar confiança ao crente (T5, p. 707, 708).


Autora:  Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


12/04)


Mais Luz



Apliquei o coração a esquadrinhar e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do Céu. Eclesiastes 1:13


Seja qual for o grande adiantamento intelectual do homem, não pense ele, nem por um momento, que não há necessidade de inteira e contínua pesquisa das Escrituras em busca de maior luz. Como um povo, somos convidados individualmente ao estudo da profecia. Devemos observar atentamente, a fim de distinguir qualquer raio de luz que Deus nos apresente. Devemos apanhar os primeiros clarões da verdade; e, mediante estudo apoiado pela oração, se poderá obter mais intensa luz, a qual poderá ser apresentada aos outros.


Quando o povo de Deus está à vontade, satisfeito com a luz que já possui, podemos estar certos de que Ele os não favorecerá. É Sua vontade que eles marchem sempre avante, recebendo a sempre crescente luz que para eles brilha. A atitude atual da igreja não agrada a Deus. Tem-se introduzido uma confiança em si mesmos que os tem levado a não sentir nenhuma necessidade de mais verdade e maior luz. Vivemos numa época em que Satanás opera à direita e à esquerda, em nossa frente e por trás de nós; e todavia, como um povo, estamos dormindo. Deus deseja que se faça ouvir uma voz despertando Seu povo para a ação.


Em vez de abrir a mente para receber os raios de luz do Céu, alguns têm trabalhado em direção contrária. Tanto pela imprensa como do púlpito têm sido apresentados, com respeito à inspiração da Bíblia, opiniões que não têm o apoio do Espírito nem da Palavra de Deus. Certo é que nenhum homem ou grupo de homens deve procurar apresentar teorias sobre assunto de tão grande importância sem um claro “Assim diz o Senhor” em seu apoio.


E quando homens, rodeados de fraquezas humanas, afetados em maior ou menor medida pelas influências ambientais, e tendo tendências hereditárias e cultivadas que estão longe de torná-los sábios ou espirituais, empreendem acusar publicamente a Palavra de Deus, e lavrar sentença sobre o que é divino e o que é humano, estão eles trabalhando sem o conselho de Deus. O Senhor não fará prosperar semelhante obra. O efeito será desastroso, tanto sobre o que nisso se empenha, como sobre os que o aceitam como obra de Deus (T5, p. 708, 709).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


11/04)


quinta-feira, 16 de abril de 2009

Os Tesouros da Verdade



Se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, então, entenderás o temor do Senhor e acharás o conhecimento de Deus. Provérbios 2:4, 5


Ninguém pense que não há mais sabedoria para alcançar. A profundeza do entendimento humano pode ser medida, as obras de autores humanos podem ser conhecidas; porém o mais alto, mais profundo e mais largo vôo da imaginação não pode descobrir a Deus. Há a imensidade além de tudo que podemos compreender. Vimos somente o cintilar da glória divina e do infinito conhecimento e sabedoria; temos estado a trabalhar, por assim dizer, próximos da superfície enquanto ricos veios de ouro estão mais embaixo, para recompensar aquele que cavar em sua procura. A escavação precisa aprofundar-se mais e mais na mina, e maravilhosos tesouros serão o resultado. Por uma fé correta, o conhecimento divino se tornará conhecimento humano.


Ninguém pode esquadrinhar as Escrituras no espírito de Cristo sem ser recompensado. Quando o homem consente em ser instruído como uma criancinha, quando se submete inteiramente a Deus, achará a verdade em Sua Palavra. Se os homens fossem obedientes compreenderiam o plano do governo de Deus. O mundo celestial abriria os seus mistérios de graça e glória à pesquisa. Os seres humanos seriam totalmente diferentes do que agora são: porque, explorando as minas da verdade, os homens seriam enobrecidos. O mistério da salvação, a encarnação de Cristo, Seu sacrifício expiatório não seriam, como o são agora, noções vagas em nossa mente. Não somente seriam mais bem compreendidos, como infinitamente mais apreciados. [...]


O valor desse tesouro supera o ouro e a prata. Não se pode comparar com as riquezas das minas terrestres.


“O abismo diz: Não está em mim; o mar diz: Ela não está comigo. Não se dará por ela ouro fino, nem se pesará prata em câmbio dela. Nem se pode comprar por ouro fino de Ofir, nem pelo precioso ônix, nem pela safira. Com ela se não pode comparar o ouro ou o cristal; Nem se trocará por jóia de ouro fino. Ela faz esquecer o coral e as pérolas; porque a aquisição da sabedoria é melhor que a dos rubis” (Jó 28:14-18) (PJ, p. 113, 114, 107).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


10/04)


quarta-feira, 15 de abril de 2009

O Espírito Torna a Palavra Interessante




Chegue a Ti, Senhor, a minha súplica; dá-me entendimento, segundo a Tua palavra. Salmo 119:169


A Bíblia tem sido colocada em segundo plano, ao passo que os dizeres de assim chamados grandes homens têm sido aceitos em seu lugar. Que o Senhor nos perdoe o desprezo que temos dado a Sua Palavra. Embora a Bíblia contenha inestimáveis tesouros e se assemelhe a uma mina repleta de preciosos minérios, não é apreciada, não é examinada, e suas riquezas não são descobertas.


A misericórdia, a verdade e o amor são muito mais valiosos do que podemos imaginar; não podemos ter uma provisão demasiado grande desses tesouros, e é na Palavra de Deus que descobrimos como podemos tornar-nos possuidores dessas riquezas celestiais; todavia, por que a Palavra de Deus é desinteressante para muitos cristãos professos? Seria porque a Palavra de Deus não é espírito e vida? Terá Jesus colocado sobre nós uma incumbência desinteressante, ao ordenar: “Examinai as Escrituras”? (Jo 5:39). Disse Jesus: “As palavras que Eu vos disse são espírito e vida” (Jo 6:63). As coisas espirituais, porém, são discernidas espiritualmente, e o motivo de sua falta de interesse é terem falta do Espírito de Deus.


Quando o coração for posto em harmonia com a Palavra, surgirá dentro de vocês uma nova vida, brilhará nova luz sobre cada linha da Palavra, e ela se tornará a voz de Deus a sua alma. Desse modo adotarão reflexões celestiais, saberão para onde estão indo e serão capazes de tirar o máximo proveito de seus privilégios hoje em dia.


Devemos pedir que o Senhor abra nosso entendimento para que compreendamos a verdade divina. Se humilharmos o coração diante de Deus, se tirarmos dele a vaidade, o orgulho e o egoísmo, mediante a graça abundantemente a nós outorgada; se desejarmos sinceramente e crermos firmemente, os brilhantes raios do Sol da Justiça incidirão sobre nossa mente, iluminando nosso entendimento obscurecido. Jesus é a Luz que ilumina a todo homem que vem ao mundo. Ele é a Luz do mundo, e convida-nos a ir a ele, e dEle aprender. [...] Viera para buscar e salvar os perdidos, e não Se deixaria desviar do próprio objetivo. Não permitiu que coisa alguma O demovesse. Esta obra colocou-a em nossas mãos. Iremos realizá-la? (FEC, p. 182, 183).



Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


09/04)


terça-feira, 14 de abril de 2009

Praticando a Verdade




Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti. Salmo 119:11


Estudemos a Palavra que Deus em Sua sabedoria, amor e bondade tornou clara e simples. O sexto capítulo do Evangelho de João diz-nos o que significa o estudo da Palavra. Os princípios revelados nas Escrituras devem ser esclarecidos para a pessoa. Devemos comer a Palavra de Deus; isto é, não devemos desviar-nos de seus preceitos. Devemos introduzir suas verdades em nossa vida diária, apossando-nos dos mistérios da piedade.


Orem a Deus. Comunguem com Ele. Provem a própria mente de Deus, como aqueles que estão esforçando-se por obter a vida eterna, e que devem ter o conhecimento de Sua vontade. Vocês podem revelar a verdade apenas como a conhecem em Cristo. Devem receber e assimilar Suas palavras; elas devem tornar-se parte de vocês mesmos. Isto é o que significa comer a carne e beber o sangue do Filho de Deus. Devem viver de toda palavra que sai da boca de Deus; a saber, o que Deus revelou. Nem tudo foi revelado; não poderíamos suportar tal revelação. Deus, porém, revelou tudo o que é necessário para nossa salvação. Não devemos deixar Sua Palavra pelas suposições dos homens.


Obtenham um conhecimento experimental de Deus usando o jugo de Cristo. Ele dá sabedoria aos mansos e humildes, habilitando-os a ajuizar do que é a verdade, trazendo à luz o porquê e para quê, indicando o resultado de certas ações. O Espírito Santo ensina o estudante das Escrituras a julgar todas as coisas pelo padrão de justiça, verdade e retidão. A revelação divina o supre do conhecimento de que ele necessita. [...]


Tornem a Bíblia seu conselheiro. Sua familiaridade com ela aumentará rapidamente se mantiverem a mente livre do lixo do mundo. Quanto mais a Bíblia for estudada, tanto mais profundo será seu conhecimento de Deus. As verdades de Sua Palavra lhes serão escritas na mente, causando uma indelével impressão.


Não só o próprio estudante será beneficiado pelo estudo da Palavra de Deus. Seu estudo é vida e salvação para todos com quem ele se associa. Sentirá ele uma sagrada responsabilidade de comunicar o conhecimento que recebe. Sua vida revelará o auxílio e a força que ele recebe da comunhão com a Palavra. [...] De tais pessoas pode o Senhor Jesus dizer realmente: “São cooperadores de Deus” (CS, p. 370-372).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:   http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


08/04)


Crescimento Pela Palavra



Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. 2 Timóteo 3:16, 17


O professor da verdade deve avançar em conhecimento, crescendo em graça e na experiência cristã, cultivando hábitos e práticas que honrarão a Deus e a Sua Palavra. Ele deve mostrar aos outros como fazer uma aplicação prática da Palavra. Cada progresso que fazemos em habilidade santificada, em variados estudos, nos ajudarão a compreender a Palavra de Deus; e o estudo das Escrituras nos ajuda no estudo de outras áreas essenciais na educação.


Depois do primeiro contato mais íntimo com a Bíblia, o interesse do pesquisador mais ávido cresce rapidamente. A disciplina obtida através de um estudo regular da Palavra de Deus o capacita a ver uma novidade e beleza na verdade que antes ele não discernia. Referências a textos, ao falar, se torna natural e fácil para um estudante da Bíblia.


Acima de tudo mais, é essencial aos professores da Palavra de Deus procurar, com sinceridade, possuir eles mesmos a evidência intrínseca das Escrituras. Aqueles que desejam ser abençoados com essas evidências devem pesquisar as Escrituras por si mesmos. Ao aprenderem as lições dadas por Cristo, e compararem verso com verso, para ver se eles mesmos exibem suas credenciais, obterão conhecimento da Palavra de Deus e a verdade será escrita em seu coração. [...]


Existem muitos casos em que pessoas que têm defendido o cristianismo contra céticos têm posteriormente perdido a própria salvação nos labirintos do ceticismo. Contraíram a malária e morreram espiritualmente. Possuíam fortes argumentos em favor da verdade e muitas provas exteriores, mas não possuíam firme fé em Cristo. Oh, existem milhares e milhares de cristãos professos que nunca estudam a Bíblia! Estude a Palavra sagrada com oração para benefício da própria alma. Ao ouvir a palavra de pregadores vivos, se eles possuem uma conexão viva com Deus, você perceberá que o Espírito e a palavra estarão em harmonia (RH, 20/4/1897).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


07/04)


quinta-feira, 9 de abril de 2009

Preparo Para a Vida Imortal



Preparo Para a Vida Imortal


Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dEle, iluminados os olhos do vosso coração. Efésios 1:17, 18


O melhor modo de impedir o desenvolvimento do mal é ocupar antecipadamente o terreno. O máximo cuidado e vigilância são precisos no cultivo do espírito e na semeadura, nele, das preciosas sementes da verdade bíblica. O Senhor, em Sua grande misericórdia, revelou-nos nas Escrituras as regras do santo viver. Expõe-nos os pecados a serem evitados; esclarece-nos o plano da salvação e indica o caminho para o Céu. Inspirou homens santos para que registrassem, para nosso proveito, instruções relativas aos perigos que infestam o caminho, e a maneira de a eles fugir. Os que Lhe obedecem à recomendação de examinar as Escrituras não serão ignorantes dessas coisas. Entre os perigos dos últimos dias, todo membro da igreja deve compreender as razões de sua esperança e fé – razões que não são de difícil compreensão. Há suficiente matéria para ocupar o espírito, caso cresçamos na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. [...]


Se a Bíblia fosse estudada como deveria ser, os homens se tornariam fortes no intelecto. Os assuntos tratados na Palavra de Deus, a digna simplicidade de suas declarações, os nobres temas que apresenta ao espírito, desenvolvem no homem faculdades que não podem ser desenvolvidas de outra maneira. [...]


Deus quer que aproveitemos todos os meios de cultivar e fortalecer nossas faculdades intelectuais. Fomos criados para uma existência mais elevada e mais nobre do que é a vida no tempo atual. É este um tempo de preparação para a futura vida imortal. Onde poderão ser encontrados mais grandiosos temas para contemplação, mais interessantes assuntos para meditação, do que as sublimes verdades reveladas na Bíblia? Essas verdades realizarão uma poderosa obra em favor do homem, se ele tão-somente seguir o que elas ensinam. [...]


Se a Bíblia fosse mais lida, se suas verdades fossem melhor compreendidas, seríamos um povo muito mais iluminado e esclarecido. Pelo exame de suas páginas é comunicada energia à alma. Anjos do reino da luz colocam-se ao lado do diligente pesquisador da verdade, a fim de impressionar e iluminar seu espírito. Aquele cujo entendimento se acha obscurecido pode encontrar luz mediante o conhecimento das Escrituras (CTBH, p. 125, 126).


Autora:  Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


06/04) 

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Excelência Pessoal



Excelência Pessoal


Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas. Jeremias 9:23


Deus é a fonte de toda a sabedoria. É infinitamente sábio, justo e bom. Sem Cristo, os mais sábios homens que já tenham existido não O podem compreender. Podem professar sabedoria; podem gloriar-se em suas realizações; mas o mero conhecimento intelectual, à parte das grandes verdades que se centralizam em Cristo, é como nada. [...]


Se os homens pudessem enxergar um momento para além do horizonte da visão finita, se pudessem ter um vislumbre do Eterno, e toda boca se calaria com seu orgulho. Finitos são os homens que vivem neste pequenino átomo de mundo; Deus tem inumeráveis mundos obedientes a Suas leis, e dirigidos para Sua glória. Quando os homens avançarem em suas pesquisas científicas até aonde lhes permitam as limitadas faculdades, existe ainda para além uma infinidade que lhes escapa à apreensão.


Antes de o homem se tornar realmente sábio, cumpre-lhe avaliar sua dependência de Deus, e encher-se de Sua sabedoria. Ele é a fonte do poder intelectual, bem como do espiritual. Os maiores homens, que atingiram o que o mundo considera o máximo na ciência, não devem se comparar com o amado João ou o apóstolo Paulo. É quando se combinam a capacidade intelectual e a espiritual que se atinge a mais alta norma de varonilidade. Os que assim fizerem, Deus aceitará como coobreiros Seus no preparo das mentes.


Conhecer a nós mesmos é grande ciência. O mestre que se aprecia devidamente deixará que Deus lhe molde e discipline a mente. E reconhecerá a origem de sua força. [...] “E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te vanglorias, como se o não tiveras recebido?” (1Co 4:7). O conhecimento de si mesmo leva à humildade e à confiança em Deus; não toma, porém, o lugar dos esforços para o aperfeiçoamento próprio. Aquele que compreende as próprias deficiências, não se poupará a sofrimentos para alcançar a mais alta norma possível na excelência física, mental e moral (SpTEd, p. 49, 50).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html

05/04)


Sabedoria Divina



Sabedoria Divina


Donde, pois, vem a sabedoria, e onde está o lugar do entendimento? Jó 28:20


Irmãos, vocês terão de lutar com dificuldades, de ter encargos, de dar conselhos, de planejar e executar, buscando continuamente o auxílio de Deus. Orem e trabalhem, trabalhem e orem; como discípulos na escola de Cristo, aprendam de Jesus.


O Senhor nos deu a promessa: “Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada” (Tg 1:5). É o plano de Deus que os que têm responsabilidades se reúnam muitas vezes para se aconselharem entre si, e orarem pedindo aquela sabedoria que somente Ele pode comunicar. Falem menos; muito tempo precioso é perdido em conversas que não trazem luz. Reúnam-se os irmãos com jejum e oração em busca da sabedoria que Deus prometeu fornecer liberalmente. Levem ao conhecimento de Deus as suas dificuldades. Digam-Lhe, como Moisés: “Eu não posso guiar a este povo, a não ser que a Tua presença vá comigo” (Êx 33:15). E então, peçam ainda: “Rogo-Te que me mostres a Tua glória” (Êx 33:18). Que é essa glória? – O caráter de Deus. Foi isso que Ele proclamou a Moisés.


Em fé viva, una-se a pessoa com Deus. Profira a língua o Seu louvor. Quando se reunirem, dirijam reverentemente o espírito à contemplação das realidades eternas. Assim estarão ensinando uns aos outros a ter mentes espirituais. Quando sua vontade se achar em harmonia com a divina, estarão em harmonia uns com os outros; terão Cristo ao seu lado como conselheiro.


Enoque andava com Deus. Todo obreiro de Cristo pode fazer o mesmo. Podem dizer com o salmista: “Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim; por isso que Ele está à minha mão direita, nunca vacilarei” (Sl 16:8). Enquanto sentirem não possuir nenhuma suficiência própria, sua suficiência estará em Jesus. Se esperam que todo o conselho e sabedoria venham dos homens, mortais e finitos como vocês, receberão unicamente auxílio humano. Se vocês se dirigirem a Deus em busca de auxílio e sabedoria, Ele nunca os deixará decepcionados em sua fé (OE, p. 417, 418).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


04/04)