segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Jesus nossa fonte eterna de força e paz



Ó Deus, Tu és o meu Deus forte; eu Te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de Ti; meu corpo Te almeja, como terra árida, exausta, sem água. Salmo 63:1

Nenhum agente humano pode suprir aquilo que satisfará a fome e a sede da alma. Mas Jesus diz: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo” (Ap 3:20). “Eu sou o pão da vida; aquele que vem a Mim não terá fome; e quem crê em Mim nunca terá sede” (Jo 6:35).

Como precisamos de alimento para sustentar nossas forças físicas, assim necessitamos de Cristo, o pão do Céu, para manter a vida espiritual, e comunicar forças para efetuar as obras de Deus. Como o corpo está continuamente recebendo a nutrição que sustém a vida e o vigor, assim a alma deve estar constantemente comungando com Cristo, a Ele submissa, e confiando inteiramente nEle.

Como o fatigado viajante procura a fonte no deserto e, encontrando-a, sacia a sede abrasadora, assim há de o cristão ansiar e obter a pura água da vida, de que Cristo é a fonte.

Ao discernirmos a perfeição do caráter de nosso Salvador, havemos de desejar ser inteiramente transformados, e renovados à imagem de Sua pureza. Quanto mais conhecermos a Deus, tanto mais elevado será nosso ideal de caráter, e mais veemente o nosso anseio de Lhe refletir a imagem. Um elemento divino combina-se com o humano, quando a alma se dilata, em busca de Deus, e o ansioso coração pode exclamar: “Ó minha alma, espera somente em Deus, porque dEle vem a minha esperança” (Sl 62:5). [...]

As palavras de Deus são a fonte da vida. Ao buscarem essas vivas fontes hão de, mediante o Espírito Santo, ser postos em comunhão com Cristo. Verdades familiares se apresentarão ao seu espírito sob novo aspecto; como o clarão de um relâmpago, novas significações cintilarão de textos familiares da Escritura; verão a relação de outras verdades com a obra da redenção, e saberão que Cristo os está guiando; que têm ao lado um Mestre divino (MDC, p. 18-20).

Autora: Ellen G. White


Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


24/11


Um comentário:

  1. DESEJO DE TUDO...
    UM POUCO !

    Sensibilidade ...

    Para não ficar indiferente
    diante das belezas
    da vida ...

    Coragem ...

    Para colocar a timidez de lado
    e poder realizar o que tem vontade.

    Solidariedade ...

    Para não ficar neutro
    diante do sofrimento da humanidade.

    Bondade ...

    Para não desviar os olhos
    de quem te pede ajuda.

    Tranquilidade ...

    Para quando chegar ao fim do dia,
    poder deitar e dormir o sono dos anjos.

    Alegria ...

    Para você distribuí-la,
    colocando um sorriso no rosto de alguém.

    Humildade ...

    Para você reconhecer
    aquilo que você não é.

    Sinceridade ...

    Para você ser verdadeiro,
    gostar de si mesmo,
    e viver melhor.

    Felicidade ...

    Para você descobri-la dentro de você
    e doá-la a quem precisar.

    Amizade ...

    Para você descobrir que,
    quem tem um amigo,
    tem um tesouro.

    Esperança ...

    Para fazer você acreditar na vida
    e se sentir uma eterna criança.

    Sabedoria ...

    Para entender que só o bem existe,
    o resto é ilusão.

    Desejos ...

    Para alimentar o seu corpo,
    dando prazer ao seu espírito.

    Sonhos ...

    Para poder, todos os dias,
    alimentar sua alma.

    Amor ...

    Para você ter alguém para amar
    e sentir-se amado.

    Para você desejar tocar uma estrela,
    sorrir para a lua.

    Sentir que a vida é bela,
    andando pela rua.

    Para você descobrir que
    existe um sol dentro de você.

    Para você se sentir feliz
    a cada amanhecer
    e saber que o amor
    é a razão maior para viver.

    Mas, se você não tiver um amor,
    que nunca deixe morrer em você,
    a procura.
    O desejo de o encontrar.

    Tenha de tudo, um pouco...

    E SEJA FELIZ!

    Boa semana para você!

    Beijinhos
    Ângela

    ResponderExcluir