quinta-feira, 8 de outubro de 2009

O clamor dos necessitados



O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes Meus pequeninos irmãos, a Mim o fizestes. Mateus 25:40


Enquanto, em Sua providência, Deus tem carregado a Terra com Suas bênçãos, e enchido seus tesouros com os confortos da vida, não existe desculpa, seja qual for, para permitir que a casa do tesouro do Senhor fique vazia. Os cristãos não são desculpados por permitirem que o clamor das viúvas e as orações dos órfãos subam ao Céu em virtude de sua penosa necessidade, enquanto uma liberal Providência colocou nas mãos desses cristãos abundância para suprimento de suas necessidades.


Não permitamos que o clamor das viúvas e dos órfãos atraia sobre nós, como um povo, a vingança do Céu. No professo mundo cristão o que é gasto em extravagante ostentação, em jóias e ornamentos, daria para suprir as necessidades de todos os famintos e vestir todos os nus em nossas cidades; e ainda assim esses professos seguidores do manso e humilde Jesus não precisariam privar-se do necessário alimento nem do vestuário confortável.[...]


Vemos senhoras que professam piedade usando elegantes correntes de ouro, colares, anéis e outras jóias [...] enquanto a necessidade está à espreita nas ruas e os sofredores e desamparados estão por toda parte. Isto não lhes interessa, não lhes desperta a simpatia; mas chorarão pelo sofrimento imaginário descrito no mais recente romance. Não têm ouvidos para o pranto dos necessitados, nem olhos para contemplar os corpos frios e quase despidos de mulheres e crianças ao seu redor. Consideram a real carência como uma espécie de crime, e afastam-se do sofrimento da humanidade como que de uma doença contagiosa. Para estas, Cristo dirá: “Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; [...] achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me” (Mt 25:42, 43).


Mas, por outro lado, Cristo diz aos justos: “Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; enfermo, e me visitastes; preso, e fostes ver-me” (Mt 25:35, 36). [...] Desse modo Cristo identifica Seus interesses com os da humanidade sofredora. Atos de amor e caridade feitos ao sofredor são como se fossem feitos a Ele mesmo (RH, 21/11/1878).


Autora: Ellen G. White




11/09

Nenhum comentário:

Postar um comentário