domingo, 13 de setembro de 2009

Trabalhar com a terra faz bem



Eis que os Céus e os céus dos Céus são do Senhor, teu Deus, a Terra e tudo o que nela há. Deuteronômio 10:14


Em si mesma a beleza da natureza afasta a mente do pecado e das atrações mundanas, e a leva à pureza, à paz, e a Deus. Por essa razão, o cultivo do terreno é bom trabalho para as crianças e os jovens. Leva-os ao contato direto com a natureza e com o Deus da natureza. E, para que possam ter essa vantagem, deve haver, tanto quanto possível, em conexão com nossas escolas, grandes jardins e vastas terras para cultura (CPPE, p. 186, 187).


Na escola que aqui é iniciada em Cooranbong [Austrália], procuramos ter verdadeiro êxito nos ramos agrícolas, combinados com um estudo das ciências. Pretendemos que este lugar seja um centro, do qual irradie a luz, precioso conhecimento avançado que resulte em serem trabalhadas terras incultas, de modo que montanhas e vales floresçam como a rosa. Tanto para as crianças como para os homens, o trabalho combinado com o esforço mental darão a espécie certa de educação completa. O cultivo da mente trará tato e novos incentivos para o cultivo do solo (TM, p. 244).


Bem, a escola fez um excelente começo. Os alunos estão aprendendo a plantar árvores, morangos, etc.; a conservar cada pedacinho e fibra das raízes desembaraçadas para lhes dar oportunidade de crescerem. Não é essa uma lição muito preciosa sobre a maneira de tratar a mente humana, bem como o corpo? Não embaraçar nenhum dos órgãos do corpo, mas lhes dar plena condição para desempenhar o seu trabalho? [...]


Devemos trabalhar no solo com alegria, esperança e gratidão, crendo que a terra conserva em seu seio ricas provisões para o fiel obreiro entesourar, mais ricas que ouro ou prata. [...] Com um cultivo próprio e inteligente, cederá a terra seus tesouros para o benefício do homem. [...]


O cultivo de nossas terras requer o exercício de todas as energias do cérebro e tato que possuímos. As terras ao nosso redor testificam da indolência do homem. Esperamos despertar para a ação os sentidos adormecidos. Esperamos ver fazendeiros inteligentes, que sejam recompensados por seu ardoroso labor. A mão e o coração devem cooperar, pondo em ação planos novos e sensatos no cultivo do solo (TM, p. 242-244).


Autora: Ellen G. White


06/08


Nenhum comentário:

Postar um comentário