domingo, 20 de setembro de 2009

A energia de Deus sustenta a natureza



Cantai ao Senhor com ações de graças; entoai louvores, ao som da harpa, ao nosso Deus, que cobre de nuvens os céus, prepara a chuva para a Terra, faz brotar nos montes a erva. Salmo 147:7, 8


Muitos ensinam que a matéria possui força vital: que certas propriedades são comunicadas à matéria, e que então fica ela a agir por meio de sua própria energia inerente; e que as operações da natureza são dirigidas de acordo com leis fixas, nas quais o próprio Deus não pode interferir. Isto é ciência falsa, e não é apoiado pela Palavra de Deus.


A natureza é serva de seu Criador. Deus não anula Suas leis, nem age contrariamente a elas; mas está continuamente a empregá-las como Seus instrumentos. A natureza testifica de uma inteligência, de uma presença, de uma energia ativa, que opera em suas leis e por meio das mesmas leis. Há na natureza a operação contínua do Pai e do Filho. [...]


A obra de Deus, da criação, está completa, mas a Sua energia ainda é exercida ao sustentar os objetivos de Sua criação. Não é porque o mecanismo, que uma vez fora posto em movimento, continue a agir por sua própria energia inerente que o pulso bate, que respiração se segue a respiração; mas cada respiração, cada pulsar do coração é uma prova daquele cuidado que tudo penetra, por parte dAquele em quem “vivemos, e nos movemos, e existimos” (At 17:28).


Não é por causa de um poder inerente que ano após ano a Terra produz seus dons, e continua seu movimento em redor do Sol. A mão de Deus guia os planetas, e os conserva em posição na sua marcha ordenada através dos céus. [...] É pelo Seu poder que a vegetação floresce, que as folhas aparecem e as flores desabrocham. [...] Sua palavra governa os elementos; e por Ele os vales se tornam férteis. [...] Ele cobre os céus de nuvens, e prepara a chuva para a terra. [...] Ele “faz brotar nos montes a erva”, [...] “dá a neve como lã e esparge a geada como cinza” (Sl 147:8, 16). “Ao som do seu trovão, as águas no céu rugem, e formam-se nuvens desde os confins da Terra. Ele faz os relâmpagos para a chuva e dos seus depósitos faz sair o vento” (Jr 10:13, NVI). [...]


Seu cuidado está sobre todas as obras de Suas mãos. Nada é tão grande que não possa ser dirigido por Ele, e nada tão pequeno para escapar a Sua atenção (ST, 20/3/1884).



Autora: Ellen G. White


15/08


Nenhum comentário:

Postar um comentário