sábado, 19 de setembro de 2009

Árvores medicinais



Fazes crescer a relva para os animais e as plantas, para o serviço do homem, de sorte que da terra tire o seu pão. Salmo 104:14


Em certo lugar estavam-se fazendo preparativos para limpar o terreno para a construção de um hospital. Foram instruídos de que há saúde no perfume dos pinheiros, dos cedros e dos abetos. E há várias outras espécies de árvores que têm propriedades medicinais e promovem a saúde.


Não sejam essas árvores cortadas desapiedadamente. É melhor mudar o local do prédio [sanatório] do que cortar essas árvores sempre verdes. Existem lições para nós nessas árvores. A palavra de Deus declara: “O justo florescerá como a palmeira; crescerá como o cedro no Líbano” (Sl 92:12). Davi diz: “Sou como a oliveira verdejante, na casa de Deus; confio na misericórdia de Deus para todo o sempre” (Sl 52:8).


O cristão é comparado ao cedro do Líbano. Li que essa árvore faz mais que enviar para baixo algumas pequenas raízes na fofa terra argilosa. Faz penetrar vigorosas raízes profundamente na terra, e deita-as mais e mais longe, em busca de um sustentáculo ainda mais forte. E na feroz rajada da tempestade, ela fica firme, segura por sua rede de cabos subterrâneos.


Assim lança o cristão raízes profundas em Cristo. Ele tem fé em seu Redentor. Sabe em quem crê. Está plenamente convencido de que Jesus é o Filho de Deus e o Salvador dos pecadores. O agradável som do evangelho é recebido sem dúvidas conflitantes. As raízes da fé aprofundam-se. Os cristãos genuínos, como o cedro do Líbano, não se desenvolvem no solo da fofa superfície, mas estão firmados em Deus, presos nas fendas das rochas da montanha.


Estude essas lições das árvores. Eu poderia me demorar bastante neste assunto, mas não devo fazê-lo agora. Peço que não cortem os pinheiros, pois são uma benção a muitos. Deixem-nos viver.


Quero dizer a vocês, meus irmãos e irmãs, que têm as minhas orações e a minha simpatia em suas obras. Lembrem-se de que vocês são árvores no jardim do Senhor, e que a proteção divina está ao seu redor. Quanto mais visível a linha de demarcação entre as flores de Deus e o arbusto espinhoso plantado por Satanás, mais o Senhor é glorificado (SpM, p. 228, 229).



Autora: Ellen G. White




14/08


Nenhum comentário:

Postar um comentário