segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Todo teu Senhor



Quem acolhe a disciplina mostra o caminho da vida, mas quem ignora a repreensão desencaminha outros. Provérbios 10:17, NVI


Muitos apresentam desculpas por suas fraquezas espirituais, por suas explosões de ira, pela falta de amor que têm mostrado a seus irmãos e irmãs. Sentem um senso de alienação de Deus, uma percepção de que são escravos do eu e do pecado; mas seu desejo de fazer a vontade de Deus está baseado nas próprias inclinações, não na profunda e íntima convicção do Espírito Santo. Crêem que a lei de Deus deve ser obedecida; porém, não comparam suas ações com a lei com o ávido interesse de pessoas constrangidas pelo julgamento. Admitem que Deus deve ser adorado e amado de modo supremo, mas Deus não está em todos os seus pensamentos. Acreditam que os preceitos que ordenam amar o próximo devem ser observados; mas tratam seus companheiros com fria indiferença e, por vezes, com injustiça. Assim se desviam do caminho da pronta obediência. Não levam até o fim a obra de arrependimento. A percepção de seus erros deve levá-los a buscar a Deus com a maior sinceridade a fim de adquirirem poder para revelar a Cristo por meio da bondade e paciência.


Muitos esforços espasmódicos de reforma são feitos, mas os que fazem esses esforços não crucificam o eu. Não se entregam completamente às mãos de Cristo, buscando o poder divino para fazer Sua vontade. Não estão dispostos a ser moldados segundo a semelhança divina. De um modo geral reconhecem suas imperfeições, mas não abandonam os pecados particulares. “Temos feito coisas que não devíamos”, dizem, “e temos deixado de fazer as coisas que devíamos ter feito.” Mas seus atos de egoísmo, tão ofensivos a Deus, não são vistos à luz de Sua lei. Plena contrição não é expressa pelas vitórias que o eu tem conseguido.


O inimigo concorda que esses esforços espasmódicos sejam feitos, pois os que assim fazem não se comprometem em decidida luta contra o mal. Um emplastro suavizante, por assim dizer, é colocado sobre sua mente, e em auto-suficiência decidem começar novamente a fazer a vontade de Deus.


Mas uma convicção geral do pecado não reforma. Podemos ter um vago e desagradável senso de imperfeição, mas isto em nada nos beneficiará, a menos que façamos um firme esforço para obter a vitória sobre o pecado. Se desejarmos cooperar com Cristo para vencer assim como Ele venceu, devemos, em Seu poder, resistir com determinação ao eu e ao egoísmo (ST, 11/3/1897).


Autora: Ellen G. White


Nenhum comentário:

Postar um comentário