domingo, 7 de junho de 2009

Princípios cristãos nos negócios



Que é o que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus. Miquéias 6:8


As leis das nações trazem os indícios das debilidades e paixões do coração não renovado; mas a lei de Deus traz o selo divino e, se forem obedecidas, levarão à cuidadosa atenção para com os direitos e privilégios dos outros. [...] Seu atento cuidado está acima de todos os interesses de Seus filhos, e Ele declara que Se comprometerá com a causa do aflito e do necessitado. Se Lhe clamarem, Ele diz: “Eu o ouvirei, porque sou misericordioso” (Êx 22:27).


Se um homem de recursos possui absoluta integridade, ama e teme a Deus, pode ser um benfeitor aos pobres. Pode ajudá-los, sem ganhar juro algum [com o dinheiro que empresta] daquilo que pode ser misericordiosamente cobrado. Desse modo, sem nenhuma perda para si mesmo, o próximo desafortunado é grandemente beneficiado, pois é salvo das mãos do desonesto. Os princípios da regra áurea não devem ser perdidos de vista em momento algum em toda transação comercial. [...] Deus jamais planejou que uma pessoa afligisse a outra. Ele zelosamente guarda os direitos de Seus filhos, e nos livros do Céu grande perda é escrita ao lado do negociante injusto.


Nas Escrituras Sagradas acusações terríveis são pronunciadas contra o pecado da avareza. “Nenhum [...] avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus” (Ef 5:5). O salmista diz: “O perverso se gloria da cobiça de sua alma, o avarento maldiz o Senhor e blasfema contra Ele” (Sl 10:3). Paulo classifica os avarentos com idólatras, adúlteros, ladrões, bêbados, maldizentes e roubadores, nenhum dos quais herdarão o reino de Deus. Esses são os frutos de uma árvore corrompida, e Deus é desonrado por eles. Não devemos fazer dos costumes e máximas do mundo o nosso critério. Reformas devem acontecer; toda injustiça deve ser banida.


Somos ordenados a “examinar as Escrituras”. Toda a Palavra de Deus é a nossa regra de ação. Devemos executar seus princípios em nossa vida diária; não há marca mais certa de cristianismo do que esta. Devemos executar os grandes princípios de justiça e misericórdia em nossas relações uns com os outros. Devemos cultivar diariamente as qualidades que nos moldarão para a sociedade do Céu. Se assim o fizermos, Deus Se torna a nossa segurança, e promete abençoar tudo a que nos dedicarmos, e “jamais seremos abalados” (ST, 7/2/1884).


Autora: Ellen G. White


07/06

Nenhum comentário:

Postar um comentário