sexta-feira, 12 de junho de 2009

Construíndo sobre a Rocha Eterna




Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos [...] até que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles. Salmo 73:3, 17


O primeiro passo na vida é manter a mente fixa em Deus, ter sempre diante dos olhos o Seu temor. Um único desvio da integridade moral embota a consciência e abre a porta à tentação seguinte. “Quem anda em sinceridade anda seguro, mas o que perverte os seus caminhos será conhecido” (Pv 10:9).


É-nos ordenado amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a nós mesmos; a diária experiência da vida, entretanto, mostra que essa lei é rejeitada. A sinceridade no trato e a integridade moral assegurarão o favor de Deus, e tornarão o homem uma bênção para si mesmo e para a sociedade; mas em meio da variedade de tentações que assaltam uma pessoa em qualquer parte para onde se vire, impossível é manter uma consciência limpa e a aprovação do Céu sem auxílio divino e o princípio de amar o que é reto por amor da própria justiça.


Um caráter aprovado por Deus e pelo homem é preferível à riqueza. É preciso pôr-se um fundamento amplo e profundo, assentado na rocha – Cristo Jesus. Muitos há que professam trabalhar baseados no verdadeiro fundamento, e cuja frouxidão nos tratos mostra que estão construindo em areia movediça; mas a grande tempestade lhes varrerá o fundamento, e não terão refúgio. [...]


Muitos alegam que, a menos que sejam espertos e cuidem para tirar proveito para si mesmos, sofrerão perdas. Seus inescrupulosos vizinhos, que tiram proveitos egoístas, são prósperos; enquanto eles, embora tentem negociar estritamente de acordo com os princípios bíblicos, não são tão prósperos. Vêem porventura essas pessoas o futuro? Ou estão seus olhos demasiado fracos para ver, através da cerração carregada de corrupção do mundo, que a honra e a integridade não se galardoam em moedas deste mundo? Recompensará Deus a virtude meramente com o êxito mundano? Ele lhes tem os nomes gravados nas palmas de Suas mãos, como herdeiros de honras perduráveis, riquezas imperecíveis (SDABC3, p. 1158).


Autora: Ellen G. White


13/06

Nenhum comentário:

Postar um comentário