terça-feira, 5 de maio de 2009

A Guarda do Sábado



E, havendo Deus terminado no dia sétimo a Sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a Sua obra que tinha feito. Gênesis 2:2


Deus santificou e abençoou o dia em que descansara de toda a Sua maravilhosa obra. E esse sábado, santificado por Deus, devia ser guardado como concerto perpétuo. Era um monumento comemorativo que devia permanecer de século a século, até o fim da história terrestre.


Deus tirou os hebreus da servidão egípcia, e ordenou que observassem o Seu sábado e guardassem a lei dada no Éden. Cada semana Ele operava um milagre para fixar-lhes na mente o fato de que instituíra o sábado no começo do mundo. [...]


No terceiro mês vieram ao deserto do Sinai, e ali a lei foi proclamada do monte em tremenda grandeza. Durante sua permanência no Egito, Israel ouvira e vira por tanto tempo a idolatria praticada que perdeu em elevado grau o conhecimento de Deus e de Sua lei e o senso da importância e da santidade do sábado; a lei foi dada uma segunda vez para trazer essas coisas à sua lembrança. Nos estatutos de Deus foi definida a religião prática para toda a humanidade. Diante de Israel foi colocada a verdadeira norma de justiça.


“Disse mais o Senhor a Moisés: Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os Meus sábados” (Êx 31:12, 13). Alguns, os quais têm estado ansiosos para tornar sem efeito a lei de Deus, têm citado a palavra “sábados”, interpretando-a como os sábados anuais dos judeus. Não relacionam, porém, esse requisito positivo com o que segue: “Pois é sinal entre Mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que Eu sou o Senhor, que vos santifica. Portanto, guardareis o sábado, porque é santo para vós outros; aquele que o profanar morrerá; pois qualquer que nele fizer alguma obra será eliminado do meio do seu povo. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do repouso solene, santo ao Senhor; qualquer que no dia do sábado fizer alguma obra morrerá. Pelo que os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança perpétua nas suas gerações. Entre Mim e os filhos de Israel é sinal para sempre; porque, em seis dias, fez o Senhor os Céus e a Terra, e, ao sétimo dia, descansou, e tomou alento” (v. 13-17) (RH, 30/8/1898).


Autora: Ellen G. White


Texto extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


01/05


Nenhum comentário:

Postar um comentário