quarta-feira, 11 de março de 2009

Recompensa Imediata e Eterna




Recompensa Imediata e Eterna

Ponde, pois, estas Minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os olhos. Deuteronômio 11:18

Estas palavras [Dt 11:13-28; 7:6-11] devem ser tão distintamente seladas em cada pessoa como se fossem escritas com pena de ferro. A obediência traz suas recompensas, a desobediência, suas retribuições.

Deus deu a Seu povo instruções seguras e colocou sobre eles restrições positivas, para que possam obter uma experiência perfeita em Seu serviço, e sejam qualificados a permanecer em pé como vencedores diante do universo celeste e diante do mundo caído. Eles devem vencer pelo sangue do Cordeiro e pela palavra de seu testemunho. Aqueles que deixam de fazer a preparação essencial serão contados entre os ingratos e impuros.

O Senhor guia Seu povo por caminhos que não conhecem, para que possa testá-los e prová-los. Este mundo é o nosso lugar de prova. Aqui decidimos nosso destino eterno. Deus humilha Seu povo para que Sua vontade seja executada por eles. Assim, Ele agiu com os filhos de Israel ao guiá-los no deserto. Ele lhes disse qual teria sido seu destino caso não tivesse estendido Sua mão controladora sobre aquilo que os teria ferido. [...]

Deus abençoa a obra das mãos dos homens, para que eles possam devolver-Lhe Sua porção. Eles devem dedicar seus meios a Seu serviço, para que Sua vinha não venha a ser um deserto estéril. Devem estudar o que o Senhor faria em lugar deles. A Ele devem levar em oração toda questão difícil. Devem revelar interesse altruísta na edificação de Sua obra em todas as partes do mundo. [...]

Lembremo-nos de que somos cooperadores de Deus. Não somos suficientemente sábios para trabalhar sozinhos. Deus nos fez Seus mordomos para nos provar e nos experimentar, mesmo como provou e experimentou ao Israel antigo. Ele não deseja que seu exército seja formado por soldados indisciplinados, impuros e desordenados, os quais representariam mal Sua ordem e pureza (RH, 8/10/1901). Por Ellen G. White. Extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário