segunda-feira, 30 de março de 2009

Fidelidade no Uso dos Talentos



Fidelidade no Uso dos Talentos

O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. Mateus 25:16, 17


“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16). O preço do resgate foi pago por todos os filhos e filhas de Adão, e [o fato] de os que foram resgatados pelo precioso sangue de Cristo recusarem lealdade a Ele não os poupará da retribuição que virá sobre eles no último dia. Terão que responder por sua negligência em usar para o Mestre os talentos a eles confiados. Terão que responder pelas censuras feitas contra seu Criador e Redentor, por roubarem a Deus ao recusarem usar seus talentos no serviço dEle, e por enterrarem os bens do Senhor na terra.


A família humana compõe-se de agentes morais responsáveis, e do mais alto e bem dotado ao mais humilde e desconhecido, todos são depositários dos bens do Céu. O tempo é um dom confiado por Deus e deve ser diligentemente aproveitado no serviço de Cristo. A influência é um dom de Deus e deve ser exercida em promover os mais elevados e nobres objetivos. Cristo morreu na cruz do Calvário para que toda a nossa influência pudesse ser usada para exaltá-Lo diante de um mundo a perecer. Aqueles que contemplam a Majestade do céu morrendo na cruz por suas transgressões valorizarão a própria influência somente quando levarem homens e mulheres a Cristo, e a usarão unicamente para este propósito. A inteligência é um talento confiado. A compaixão e as afeições são talentos que devem ser conservados e aperfeiçoados, para que possamos prestar serviços Àquele a quem pertencemos por aquisição.


Tudo quanto somos ou possamos ser pertence a Deus. A educação, a disciplina e a habilidade em todo sentido devem ser usadas para Ele. [...] Quer a importância confiada seja grande quer pequena, o Senhor requer que Seus mordomos façam o melhor que puderem. Não é a importância depositada ou o aproveitamento obtido que traz aos homens a aprovação do Céu, mas a fidelidade, a lealdade a Deus, o amoroso serviço prestado, que trazem a bênção divina: “Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo de teu Senhor” (Mt 25:23). Esta recompensa de alegria não espera até entrarmos na cidade de Deus, o servo fiel tem um antegozo dela mesmo aqui nesta vida (ST, 23/1/1893).



Autora: Ellen G. White

Extraído de:       http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html


23/03)

Nenhum comentário:

Postar um comentário