quinta-feira, 5 de março de 2009

Alegria na Obediência



Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniqüidade em ti. [...] se encheu o teu interior de violência, e pecaste. Ezequiel 28:15, 16

Enquanto todos os seres criados reconheceram a fidelidade pelo amor, houve perfeita harmonia por todo o Universo de Deus. Cumprir o propósito do Criador era uma alegria para a hoste celestial. Deleitavam-se em refletir a Sua glória e em manifestar o Seu louvor. E enquanto foi supremo o amor para com Deus, o amor de uns para com outros foi cheio de confiança e abnegado. Nenhuma nota discordante tirava o brilho das harmonias celestiais. Porém, uma mudança alterou esse estado de felicidade.

Houve um ser que perverteu a liberdade que Deus concedera a Suas criaturas. O pecado originou-se com aquele que, abaixo de Cristo, fora o mais honrado por Deus, e o mais elevado em poder e glória entre os habitantes do Céu. Lúcifer, “filho da alva”, era o primeiro dos querubins cobridores, santo e puro. Permanecia na presença do grande Criador, e os incessantes raios de glória que cercavam o eterno Deus repousavam sobre ele. [...]

Pouco a pouco, Lúcifer veio a condescender com o desejo de exaltação própria. [...] Se bem que toda a sua glória fosse proveniente de Deus, esse poderoso anjo veio a considerá-la como pertencente a si próprio. Descontente com sua posição, embora fosse mais honrado do que a hoste celestial, arriscou-se a cobiçar a homenagem devida unicamente ao Criador. Em vez de procurar fazer com que Deus fosse o alvo supremo das afeições e fidelidade de todos os seres criados, seu esforço consistiu em obter para si o serviço e lealdade deles. E, cobiçando a glória que o infinito Pai conferira a Seu Filho, esse príncipe dos anjos desejou o poder que era a prerrogativa apenas de Cristo (PP, p. 35).

Sendo a lei do amor o fundamento do governo de Deus, a felicidade de todos os seres inteligentes depende da perfeita harmonia com seus grandes princípios de justiça. Deus deseja de todas as Suas criaturas o serviço de amor, serviço que brote de uma apreciação de Seu caráter. Ele não tem prazer na obediência forçada; e a todos concede vontade livre, para que possam servi-Lo voluntariamente (PP, p. 34 por Ellen G. White). Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário