quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

O Resultado da Desobediência



Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e do mal. Gênesis 3:5, NVI

Quando Eva viu “que aquela árvore parecia agradável ao paladar, era atraente aos olhos e, além disso, desejável para dela se obter discernimento, tomou do seu fruto, comeu-o [...] (Gn 3:6). Era agradável ao paladar e, enquanto comia, pareceu-lhe sentir um poder vivificador, imaginou-se entrando em uma condição superior de existência. Havendo já transgredido, tornou-se uma tentadora para seu marido, e “ele comeu também” (Gn 3:6).

“Seus olhos se abrirão”, disse o inimigo, “e vocês, como Deus, serão conhecedores do bem e o mal” (Gn 3:5). Seus olhos se abriram mesmo, mas como foi triste! O conhecimento do mal, a maldição do pecado, foi tudo o que ganharam os transgressores. O fruto nada tinha propriamente de venenoso, e o pecado não consistiu meramente em ceder ao apetite. Foi a desconfiança da bondade de Deus, descrença em Sua palavra, e a rejeição de Sua autoridade que tornaram nossos primeiros pais transgressores, e que trouxeram a este mundo o conhecimento do mal. Foi isto que abriu a porta para todas as espécies de falsidades e erros.

O homem perdeu tudo porque preferiu ouvir o enganador em lugar dAquele que é a verdade, o único que possui entendimento. Pela mistura o mal com o bem, a mente humana se tornou confusa, e suas faculdades mentais e espirituais foram entorpecidas. Não mais poderia apreciar o bem que Deus tão livremente havia concedido.

Adão e Eva tinham escolhido a ciência do mal; e se em algum tempo recuperassem o lugar que haviam perdido, deveriam fazê-lo sob as condições desfavoráveis que tinham acarretado sobre si. Não deveriam mais habitar o Éden, pois em sua perfeição não lhes poderia ensinar as lições cuja aprendizagem agora era essencial. Com indizível tristeza, despediram-se daquele belo ambiente, e saíram para habitar a terra onde repousava a maldição do pecado. [...]

Onde antes se encontrava escrito apenas o caráter de Deus, o conhecimento do bem, agora se achava também escrito o caráter de Satanás, a ciência do mal. Pela natureza, que agora revelava o conhecimento do bem e do mal, devia o homem ser continuamente advertido quanto aos resultados do pecado (Ed, p. 25, 26). Extraído de:  http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2009/frmd2009.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário