sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

02 - O Espírito Santo atuando nos bastidores



O Espírito Santo atuando nos bastidores - 02

Ele Me glorificará, porque receberá do que é Meu e o tornará conhecido a vocês Jo 16:14, NVI

Leituras da semana: Ez 37:5, 9; Gn 1:2; Jó 26:13; Êx 31:1-5; Jo 16:13, 14; Gl 5:16-23
Nas Escrituras, o Espírito Santo não recebe o mesmo destaque dedicado ao Pai e ao Filho. No entanto, a Bíblia nos diz que Ele esteve presente em momentos importantes ao longo da história sagrada. No princípio, na criação deste mundo, Ele atuou, porém, mais em segundo plano. Ele também atuou na inspiração dos profetas de Deus, desempenhando, assim, um papel fundamental na composição da Palavra de Deus. Ele agiu também na concepção de Jesus Cristo no ventre de Maria.

Entretanto, o Espírito de Deus não está no centro do registro bíblico e, surpreendentemente, conhecemos pouco sobre Ele. O Espírito Santo permanece em segundo plano porque Sua função é fazer avançar a obra de outra Pessoa da divindade – Jesus, o Filho de Deus – e dar glória a Deus, o Pai. Tudo isso para que a humanidade caída pudesse ser salva da morte eterna que o pecado lhe causaria.

A partir do testemunho das Escrituras, descobrimos que o Espírito Santo aceita, de maneira graciosa e voluntária, uma função de bastidores – no sentido de apoiar, auxiliar, sustentar e capacitar. Seja na criação, na redenção ou na missão, Ele não busca ficar sob os holofotes, independentemente do Seu papel crucial.

DOMINGO                                     A atuação misteriosa do Espírito Santo 

1. Por que o vento é uma ilustração apropriada para a atuação misteriosa do Espírito Santo? 

Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim étodo aquele que é nascido do Espírito. João 3:3-8

Assim diz o Senhor DEUS a estes ossos: Eis que farei entrar em vós o espírito, e vivereis. E ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize ao espírito: Assim diz o Senhor DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Ezequiel 37:5, 9

Ao comparar as ações do Espírito Santo com as do vento, Jesus descreveu a atuação misteriosa do Espírito. Há algo misterioso nos movimentos do vento. É difícil prever com exatidão de onde ele vem e para onde vai. Quem já não ficou perplexo com a súbita manifestação do vento que, aparentemente, surgiu do nada?

Entretanto, podemos nos tornar relativamente familiarizados com os movimentos e padrões do vento. De maneira semelhante, o Espírito Santo atua onde Ele quer. Ninguém pode controlá-Lo, mas podemos saber onde Ele está atuando. O Espírito Santo é invisível como o vento, mas pode ser muito poderoso. Ainda que não possamos ver o próprio vento, naturalmente, podemos sentir sua presença e muitas vezes ver seu efeito. Desde uma leve brisa até as rajadas mortais, o vento pode ser uma força muito poderosa. Quando o Espírito Santo é descrito como o vento, Sua atuação tem sido relacionada à ideia de trazer vida aos mortos. Isso pressupõe poder à potência máxima, algo que somente Deus é capaz de realizar.

A maneira pela qual isso é realizado permanece um mistério. Deus e Sua atuação mediante o Espírito Santo estão além do que podemos compreender plenamente, assim como muitas coisas seculares e sagradas.

Isso não significa que seja impossível saber o que o Espírito Santo realiza. Mas devemos reconhecer que a virtude apropriada para lidar com os mistérios divinos é a humildade. Essa atitude nos faz reconhecer a grandeza de Deus e as nossas limitações como criaturas. Ela nos faz admitir a necessidade que temos da revelação divina.

Ellen G. White declarou apropriadamente: “Os mistérios da Bíblia, longe de ser um argumento contra ela, acham-se entre as maiores evidências de sua inspiração divina. Se não contivesse outras referências a Deus, mas somente o que podemos compreender; se Sua grandeza e majestade pudessem ser compreendidas pela mente finita, então a Bíblia não teria infalíveis evidências de sua origem divina, como tem” (Educ, p. 170).

Quais forças invisíveis da natureza podem impactar nossa vida? O que isso nos ensina sobre a realidade das influências invisíveis mas poderosas em nosso mundo?

SEGUNDA                                               O Espírito Santo na criação 

A primeira grande obra de Deus neste planeta foi sua criação. A Bíblia menciona claramente Deus (No princípio criou Deus o céu e a terra. Gênesis 1:1) como Autor da criação. Jesus Cristo também é mencionado como Criador (Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. Colossenses 1:16,17) do céu, da Terra e de tudo o que, de fato, foi feito (No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. João 1:1-3 Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. João 1:10-14). No entanto, a Bíblia também menciona a presença do Espírito Santo na obra da criação.

2. Qual foi a função do Espírito Santo na criação? Qual é a relação entre o Espírito de Deus e a criação da vida?
 
E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. Gênesis 1:2

Pelo seu Espírito ornou os céus; a sua mão formou a serpente enroscadiça. Jó 26:13
O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida. Jó 33:4

Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da sua boca. Sal 33:6

Escondes o teu rosto, e ficam perturbados; se lhes tiras o fôlego, morrem, e voltam para o seu pó. Envias o teu Espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra. Salmos 104:29,30

A história da criação, em Gênesis 1:2, menciona a presença do Espírito de Deus. Jó 26:13 e 33:4; Salmo 33:6 e 104:29, 30 endossam o papel ativo do Espírito Santo na criação sobrenatural da Terra. Embora a Bíblia se refira claramente a Deus Pai e Seu Filho, Jesus Cristo, como Aqueles que atuaram na criação do mundo (Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós o barro e tu o nosso oleiro; e todos nós a obra das tuas mãos. Isaías 64:8; Cl 1:16, 17), o Espírito Santo também esteve presente, embora de maneira mais sutil.

Ele não aparece como protagonista na história da Criação. Em vez disso, Ele “pairava” sobre o vazio e, por meio de Seu movimento, esteve presente na origem da vida na Terra. A palavra hebraica (merahepeth) empregada em Gênesis 1:2 para “mover-se sobre” ou “pairar” sobre a superfície da Terra é a mesma utilizada em Deuteronômio 32:10-12  (guardou-o como a menina do seu olho. Como a águia desperta a sua ninhada, move-se sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os, e os leva sobre as suas asas, Assim só o Senhor o guiou; e não havia com ele deus estranho. Deut. 32:10-12), onde Deus é comparado a uma águia que paira sobre sua ninhada. O Espírito Santo estava intimamente envolvido na criação da vida na Terra; Ele cuidou dos seres vivos recém-criados como uma águia cuida de seus filhotes. O Salmo 104:30 sugere que o ato da criação só foi possível pela atuação do Espírito Santo e que Ele desempenhou um papel ativo durante esse processo.

O Espírito Santo não esteve presente apenas na criação deste mundo. Ele também tem participação ativa no processo da nossa recriação, na qual Ele nos dá um novo coração e um novo espírito. Como essas duas coisas estão relacionadas? O que o sábado nos revela sobre essa obra de criação e recriação?

TERÇA                                           O Espírito Santo e o santuário 

E Me farão um santuário, para que Eu possa habitar no meio deles” (Êx 25:8). Depois do ato da criação, o plano da salvação é de primordial importância na Bíblia. Neste mundo caído, qual seria o benefício da criação sem o plano da redenção? Como pecadores, não precisamos apenas de um Criador, mas também de um Redentor. Ah, como devemos ser gratos por ter esse Redentor, Jesus Cristo! Sem Ele estaríamos sem esperança neste mundo que não nos oferece nenhuma esperança.

No Antigo Testamento, o santuário e seu serviço ilustravam o divino perdão do pecado e prenunciavam a obra de Jesus, nosso Redentor. No santuário o plano da salvação foi revelado aos antigos israelitas (Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram. Hebreus 4:2). Embora grande parte do serviço do santuário apontasse para Jesus e Sua morte para o perdão dos pecados, o Espírito Santo é descrito como estando ativamente envolvido, habilitando pessoas específicas a construir o santuário de acordo com o modelo que Deus tinha revelado a Moisés.

3. De que maneira o Espírito Santo esteve envolvido na construção do santuário? Como Ele auxiliou aqueles que construíram a habitação de Deus? 

Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Eis que eu tenho chamado por nome a Bezalel, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, E o enchi do Espírito de Deus, de sabedoria, e de entendimento, e de ciência, em todo o lavor, Para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, E em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira, para trabalhar em todo o lavor. Êxodo 31:1-5

A Bíblia diz que o Espírito Santo esteve presente também na edificação do santuário, o principal lugar em que acontecia a reconciliação entre Deus e os seres humanos, e onde o Deus santo Se encontrava com pecadores. Foi o Senhor quem comunicou a Moisés Seu plano de construir o santuário terrestre de acordo com o original que há no Céu (E me farão um santuário, e habitarei no meio deles. Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus pertences, assim mesmo o fareis. Êx. 25:8,9  Atenta, pois, que o faças conforme ao seu modelo, que te foi mostrado no monte. Êxodo 25:40). 

O santuário era o modelo de Deus para ilustrar Seu plano de salvação. Deus habitaria no meio de Seu povo de maneira especial, no santuário que Ele mandou construir. Era a obra do Espírito Santo capacitar os homens a realizar, com habilidade artística e beleza, o que Deus lhes mandara fazer. Sem Sua ajuda, Israel não teria sido capaz de realizar essa obra de arte.

O Espírito Santo não precisava de ajuda humana na construção do santuário. No entanto, Ele capacitou pessoas a construí-lo com habilidade e beleza. Como você pode encorajar e ajudar outros a usar os talentos que eles têm para o avanço do reino de Deus?

QUARTA                              O Espírito Santo na glorificação de Jesus Cristo 

O Espírito Santo atuou intensamente na época do Antigo Testamento, embora Sua obra não pareça tão extensiva quanto no período do Novo Testamento. Com a vinda de Jesus, o Messias prometido, o ministério do Espírito Santo foi intensificado e Ele passou a conceder Seus dons a todos os cristãos. Embora o Novo Testamento revele que o Espírito Santo atua de muitas maneiras diferentes em nossa vida espiritual e na vida da igreja, talvez Sua obra mais importante seja a de glorificar Jesus Cristo.

4. De acordo com Jesus, qual é a obra do Espírito Santo?
 
Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar. João 16:13,14

Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim. João 15:26

Jesus disse que o Espírito Santo não fala de Si mesmo, mas dEle. Sua obra consiste em exaltar a obra redentora de Cristo. Ele Se mantém nos bastidores e coloca os holofotes sobre Jesus. J. I. Packer, de maneira muito apropriada, disse: “A mensagem do Espírito a nós nunca é ‘Olhe para Mim; escute-Me; venha até Mim; conheça-Me”, mas sempre é “Olhe para Ele e veja a Sua glória; ouça-O; ouça a Sua palavra; vá até Ele e você terá vida; conheça-O e experimente Seu dom de alegria e paz. O Espírito, poderíamos dizer, é o casamenteiro celestial, cujo papel é nos unir a Cristo e assegurar que permaneçamos juntos” (J. I. Packer, Keep in step with the Spirit: Finding fullness in our walk with God [Mantenha sintonia com o Espírito: Encontrando plenitude em nossa caminhada com Deus]; Grand Rapids: Baker Books, 2005, p. 57, 58).

Isso é muito importante. Qualquer ênfase sobre a obra do Espírito Santo que diminua a pessoa e obra de Jesus Cristo não procede do Espírito. Por mais importante que o Espírito de Deus seja para nossa vida espiritual, Ele nunca deve, em nosso pensamento e para nossa salvação, tomar o lugar devido apenas a Jesus Cristo. Onde quer que Cristo seja exaltado, o Espírito Santo está em ação. É por isso que somos chamados cristãos, isto é, seguidores de Cristo (E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos. Atos 11:26), em vez de seguidores do Espírito (veja Graham A. Cole, He who gives life: a doctrine of the Holy Spirit, [Aquele que dá vida: uma doutrina sobre o Espírito Santo]; Wheaton, Ill. Crossways Books, 2007, p. 284).

Por que é tão importante exaltar o Senhor ressurreto em tudo o que fazemos? Afinal, pense no que Jesus fez por nós. Devemos tudo a Ele. Como podemos demonstrar nossa gratidão? (Por isso também rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação, e cumpra todo o desejo da sua bondade, e a obra da fé com poder; Para que o nome de nosso Senhor Jesus Cristo seja em vós glorificado, e vós nele, segundo a graça de nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo. 2 Tessalonicenses 1:11,12)

QUINTA                                         O Espírito Santo e Cristo 

O Espírito Santo foi o responsável pela encarnação de Jesus (E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. Lucas 1:34,35). 

Ele O ungiu para que desempenhasse Sua missão (E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu; E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo Lucas 3:21,22). 

A unção de Jesus O dotou de poder para cumprir Sua tarefa messiânica e O habilitou a conceder o Espírito Santo aos discípulos. O Espírito guiou e sustentou Jesus em Suas tentações E logo o Espírito o impeliu para o deserto. Mc 1:12; Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Mt 4:1; E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto; E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome. Lucas 4:1,2 - Então, pela virtude do Espírito, voltou Jesus para a Galiléia, e a sua fama correu por todas as terras em derredor. Lc 4:14 para que Ele fosse “capaz de socorrer aqueles que estão sendo tentados” (Hb 2:18, NVI; compare com Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno. Hebreus 4:15,16). O Espírito Santo habilitou Jesus para essa obra redentora (Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo? Hebreus 9:14) e tornou possível Sua ressurreição (Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito; 1 Pedro 3:18). Em tudo isso, Ele ficou nos bastidores e ajudou a elevar Jesus Cristo à preeminência.

5. O que aprendemos sobre a obra do Espírito Santo nesses textos? Como o Espírito Santo glorifica Jesus? 

E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos. Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. E destas coisas sois vós testemunhas. E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder Luc 24:44-49

Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. Gál 5:16-23

E vos renoveis no espírito da vossa mente; E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. ... E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção. Efésios 4:23-30

O Espírito Santo glorifica Jesus pelo menos das seguintes maneiras:

1. Ensinando sobre Jesus nas Sagradas Escrituras de maneira fidedigna. Tudo que precisamos saber sobre Cristo e Sua salvação está completo e correto. Toda a revelação está na Palavra de Deus. Precisamos lê-la com fé e em submissão.
2. Atraindo homens e mulheres a um relacionamento salvífico com Jesus Cristo. O Espírito Santo trabalha gentilmente no coração e na mente das pessoas. Ele lhes dá entendimento para que compreendam as coisas espirituais e para que estejam dispostas a colocar sua confiança em Jesus Cristo e aceitá-Lo como seu Guia e Redentor.
3. Reproduzindo o caráter de Cristo em nós. Assim, Ele vivifica as virtudes cristãs em nossa vida (Gl 5:22, 23). Pelo sangue de Jesus obtemos a vitória sobre o pecado (E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte. Ap 12:11) e o Espírito Santo nos habilita a ser fiéis aos mandamentos de Deus.
4. Ele nos habilita a ter uma vida cristã e altruísta, de amor e serviço aos outros. Ele chama homens e mulheres a trabalhar de maneira específica para Deus e nos habilita a alcançar outras pessoas no cativante Espírito de Cristo.
Como a obra de reproduzir o caráter de Cristo em nossa vida glorifica o Pai?

SEXTA                                           Estudo adicional 

Sem dúvida, a obra do Espírito Santo é fundamental para nossa caminhada com o Senhor. Podemos não ser capazes de ver Sua atuação, mas conseguimos ver a influência da Sua obra em nossa vida e na vida de outras pessoas. Se sua vida foi transformada pela fé em Jesus, isso ocorreu somente por meio da obra do Espírito Santo. “Se bem que o vento seja invisível, seus efeitos são vistos e sentidos. Assim a obra do Espírito no coração se revela em cada ato daquele que experimentou Seu poder salvífico. Quando o Espírito de Deus toma posse do coração, transforma a vida. Os pensamentos pecaminosos são afastados, renunciadas as más ações; o amor, a humildade e a paz tomam o lugar da ira, da inveja e da contenda. A alegria substitui a tristeza, e o semblante reflete a luz do Céu” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 173). Essas são promessas maravilhosas, e um número incontável de pessoas têm demonstrado quanto elas são reais. Porém, a obra do Espírito Santo não é instantânea. Não nos tornamos automaticamente o tipo de pessoa que deveríamos ser. Uma vida de fé e submissão ao Senhor é uma vida de luta, de entrega e arrependimento quando falhamos. O Espírito Santo é o agente divino que atua em nossa vida para nos tornar novas criaturas em Cristo. Essa é, no entanto, a obra de uma vida. Embora nossas falhas e fraquezas devam nos estimular à mais plena entrega ao Senhor, não devemos deixar que o diabo as use para nos desanimar em nossa vida cristã (o que ele sempre anseia fazer). Quando formos escarnecidos pelos nossos pecados, precisamos sempre nos lembrar da morte de Jesus em favor dos pecadores. É exatamente porque somos o que somos, pecadores necessitados da graça, que Jesus morreu por nós e nos concedeu essa graça.

Perguntas para reflexão
1. O que o exemplo do Espírito Santo ensina sobre o valor de ministrar nos bastidores? Isto é, fazer a obra do Senhor, mesmo que muitas pessoas não conheçam, não vejam nem apreciem?
2. Como o Espírito Santo exalta Jesus e O coloca em destaque? Como você pode exaltar Cristo sem se colocar no centro das atenções? Por que, às vezes, é tão difícil fazer isso? Como podemos lutar contra a inclinação natural da exaltação própria?

O Espírito Santo atuando nos bastidores – 02  (Auxiliar)

TEXTO-CHAVE: João 3:3-8
Saber: Que o Espírito Santo está atuando poderosamente neste mundo e em sua vida, mesmo que não sejamos capazes de discernir nem compreender plenamente Seus caminhos.
Sentir: Cultivar diariamente o sentimento de receptividade para com o ministério do Espírito Santo em sua vida.
Fazer: Submeter-se à direção, ao convencimento e à instrução do Espírito em seu cotidiano.
ESBOÇO

I. Saber: O papel que o Espírito Santo desempenha nos bastidores
A. Por que Jesus, em Sua conversa com Nicodemos, empregou o simbolismo do vento para descrever a atuação do Espírito?
B. Por que a atuação do Espírito Santo é um mistério divino?

II. Sentir: Criação e redenção
A. Como você se sente ao saber que o mesmo poder do Espírito que trouxe este mundo à existência está disponível para nos recriar à Sua imagem?

III. Fazer: Glorificar a Deus
A. Uma das principais funções do Espírito Santo é glorificar a Deus. O que significa glorificar ao Senhor e como podemos tornar isso algo central em nossa vida?
B. Como o ministério do Espírito Santo nos bastidores, de sempre “testemunhar” de Jesus, apresenta um exemplo de humildade para todos nós?

RESUMO: Quando atendemos aos apelos do Espírito Santo e permitimos que Ele dirija completamente nossa vida, glorificamos a Jesus em todas as nossas ações e manifestamos o fruto do Espírito em nosso convívio diário com as outras pessoas.

Focalizando as Escrituras:  João 3:3-8
Conceito-chave: O Espírito Santo desempenha um papel importante em toda a Bíblia. Ele é nosso Mestre, Guia e Instrutor. Ele nos convence do pecado e nos revela o caminho da justiça. O Espírito nos concede poder para vencer e forças para resistir à tentação. Seu papel é exaltar Jesus, glorificar o Salvador e nos levar a fazer o mesmo em nossa vida.

A lição desta semana destaca o ministério do Espírito Santo na criação e redenção. Juntamente com o Pai e o Filho, o Espírito participou da criação no princípio (Gn 1:2;
Sl 33:4; Sl 104:29, 30). O salmista declarou: “Envias o Teu Espírito, eles são criados” (Sl 104:30). O Espírito é quem dá vida a todas as criaturas. Ele desempenhou um papel importante na criação da Terra e também na cruz, na redenção de toda a humanidade. O Espírito Santo sustentou e fortaleceu Jesus ao longo de toda a Sua vida. Ele dirigiu o nascimento do Salvador, guiou-O durante todo o Seu ministério, cuidou dEle na cruz, aguardou Sua ressurreição e O acompanhou em Sua ascensão ao Céu.

Enfatize que, sem o ministério do Espírito Santo, não teríamos vida nem poder; estaríamos espiritualmente mortos. Poderíamos ter “forma de piedade”, mas seríamos, na verdade, uma concha de religiosidade vazia. É o Espírito que sopra a vida de Deus em nós. Ele dá testemunho de Cristo e O exalta em nossa vida.

Discussão Inicial
Nicodemos procurou Jesus à noite. Não devemos condená-lo pelo fato de ele ter ido se encontrar com o Mestre na escuridão. Sua coragem de ir a Cristo já foi um milagre. Isso indica que o Espírito Santo estava atuando em seu coração. Se você fosse Nicodemos e pudesse fazer um pedido a Jesus, o que pediria? Por que você acha que Nicodemos foi a Jesus? O que ele realmente estava buscando?

Perguntas para discussão
1. O que motivou Nicodemos a procurar Jesus?
2. Por que Jesus usou o simbolismo do vento na conversa com Nicodemos?
3. Como o simbolismo do vento é comparado à imagem do “Espírito de Deus [que] pairava” ou soprava por sobre as águas, em Gênesis 1:2?
4. O que o vento indica? Por que ele é um símbolo que anima cada um de nós?

Compreensão
Primeiramente, o Espírito Santo inspirou os escritores da Bíblia. Hoje, Ele nos inspira quando lemos as palavras inspiradas que eles escreveram. O Espírito estava presente na criação com Seu grande poder. Hoje, mediante esse mesmo poder, Ele realiza o milagre da recriação em nossa vida. O Espírito Santo fortaleceu Jesus para que Ele resistisse às tentações do diabo. Hoje, Ele nos dá forças para resistir a essas mesmas tentações. Quando Cristo estava diante da morte, o Espírito O animou com a esperança da ressurreição. Hoje, diante do fim da nossa vida, Ele nos anima com a mesma esperança. O Santo Espírito nos dá a certeza de que somos filhos de Deus e põe em nosso coração a garantia divina da vida eterna por meio de Cristo Jesus, nosso Senhor.

Comentário bíblico

O fruto do Espírito  (Recapitule Gálatas 5:16-24.)
Os versos de Gálatas 5:16-24 estão entre os mais poderosos do Novo Testamento. Neles, o apóstolo Paulo comparou o conceito de viver na carne com a ideia de andar no Espírito. A expressão “andar no Espírito” (v. 16) significa simplesmente viver em harmonia com os ideais espirituais, mediante o poder do Espírito Santo. Significa permitir que os valores celestiais guiem nossa vida. É encher nossa mente com princípios eternos. Andar no Espírito implica preencher nossos pensamentos com a Palavra que dá vida; isso inclui permitir que os princípios das Escrituras orientem todas as nossas ações.

Em contraste com a vida no Espírito, Paulo descreveu a vida na carne, governada pela concupiscência, desejos e paixões mundanos. Uma pessoa que vive na carne se rende diariamente aos desejos do coração natural. Aquele cuja vida é dominada pelas obras da carne – tais como pensamentos lascivos, ira, espírito amargo, mente invejosa ou falta de domínio próprio – vive em sua própria força e não no poder do Espírito. Diferentemente dos que são escravos da concupiscência da carne, há os que são submissos ao Espírito Santo e por Ele dirigidos. A vida deles manifesta o fruto do Espírito: amor, alegria, paz, longanimidade e domínio próprio.

Que contraste! Como podem duas vidas ser assim tão visivelmente diferentes? O que faz uma pessoa andar na alegria do Espírito e outra ceder aos desejos da carne? O conselho de Cristo a Nicodemos revela a resposta: o dom do Espírito Santo ou a falta dele. O vento (ou sopro) do Espírito transforma a vida (Jo 3:3-8). Encontramos em toda a Bíblia indicadores poderosos da Sua atuação. O mesmo poder do Espírito que trouxe os mundos à existência está disponível a nós. O mesmo Espírito Santo que soprou vida no vale dos ossos secos na visão do profeta Ezequiel, levantando um poderoso exército, está à nossa disposição hoje (Ez 37). O mesmo Espírito que fortaleceu Jesus durante Sua vida na Terra está acessível a nós. É esse Espírito que realiza o milagre da graça divina no coração dos crentes, para que nos tornemos “novas criaturas” em Cristo (2Co 5:17).

Ellen G. White escreveu estas palavras reveladoras a um missionário: “Reconheça que Deus é nossa eficiência. Não nos lembramos disso e, por essa razão, perdemos muito em nossa experiência religiosa. Em vez de ter o poder do Espírito Santo trabalhando em nós, atuamos pelas nossas próprias forças” (Testimonies to Southern Africa [Testemunhos para o Sul da África], p. 81). Assim como a criação não se deu por conta própria, mediante um processo de evolução, a recriação não se realiza sozinha, por meio de obras ou ações humanas. É o poder do Espírito Santo em nós que nos transforma na imagem de Cristo.

Perguntas para discussão
1. O que significa andar no Espírito? Como podemos ser mais sensíveis à Sua atuação em nossa vida? Por que não podemos enxergar certas coisas em nosso caráter?
2. Estaria Deus desejando realizar em nossa vida uma obra que ainda não reconhecemos?
3. Quais coisas as pessoas podem ver em nós que não conseguimos enxergar? De que maneira o Espírito Santo usa essas coisas para nos convencer do que não enxergamos em nosso caráter?

Aplicação
O Espírito Santo dá testemunho de Jesus e O glorifica. Ele nunca busca glória para Si mesmo. Como esse atributo do Espírito resolveria rapidamente a maioria dos conflitos na igreja? Discuta com os alunos.

Perguntas para reflexão
1. Como desenvolver receptividade à obra do Espírito Santo em nossa vida?
2. De que modo podemos ser mais sensíveis ao que o Espírito tenta nos revelar?

Pergunta para aplicação
Quais coisas nos impedem de ter uma experiência profunda e duradoura com Cristo por meio de Sua Palavra, inspirada pelo Espírito?

Criatividade e atividades práticas
Assim como o Espírito Santo preencheu a vida de Jesus com o poder divino, Ele deseja preencher nossa vida com Seu poder, sem o qual nossa vida cristã está condenada ao fracasso. Assim como não poderíamos criar o mundo, também não podemos recriar nosso coração. Assim como Ezequiel não pôde soprar vida no vale de ossos secos, também não podemos reavivar os mortos. Assim como Maria não poderia conceber Jesus sem a ajuda do Espírito Santo, também não podemos conceber uma nova vida em nosso duro coração sem o Espírito de Cristo.

Atividade
1. Peça que os alunos leiam, em Gálatas 5, a lista das obras da carne e a lista das obras do Espírito.
2. Incentive cada um a examinar o coração à luz dessas listas, pedindo ao Espírito Santo que lhe conceda o fruto do Espírito.
3. Peça que os alunos reflitam em silêncio sobre os traços de caráter listados nas obras da carne e que eles têm manifestado. Solicite que orem silenciosamente ao término da Escola Sabatina, pedindo que Deus substitua, na vida deles, as obras da carne pelo fruto do Espírito.
Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?

O Espírito Santo atuando nos bastidores – 02  (Comentários)

João 16:14 
O Espírito Santo é mencionado 350 vezes nas páginas da Bíblia, sendo 88 no Antigo Testamento e 262 no Novo Testamento. Somente no livro de Atos, há 70 referências que revelam mais detalhadamente Sua pessoa e obra, ao mesmo tempo em que lançam luz sobre diversos textos do Antigo Testamento. No entanto, o Espírito Santo atua nos bastidores, dando assim prioridade à pessoa de Jesus Cristo, a quem Ele exalta continuamente nas páginas das Escrituras.

Uma obra poderosa como o vento
O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito” (Jo 3:8). A atuação poderosa do Espírito Santo foi apresentada pelo próprio Jesus, quando comparou com o vento a obra do Espírito.

Cristo Se serviu do vento como símbolo do Espírito de Deus. Como o vento sopra onde quer, e não podemos dizer de onde ele vem nem para onde vai, assim é com o Espírito de Deus. Não sabemos por meio de quem Se manifestará” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 15). O Espírito Santo é soberano. Ao homem não é permitido controlá-Lo, mais do que poderia alguém controlar o vento. O vento sopra onde quer. (Ver O Desejado de Todas as Nações, p. 502.)

Jesus disse a Nicodemos que o homem precisa nascer do alto, ou de cima. (Ver O Desejado de Todas as Nações, p. 120.) O vento também vem de cima e sopra sobre a Terra. O vento é poderoso. Quem quer que tenha experimentado os efeitos de um tornado, de um furacão, de um tufão, conhece a terrível força e poder do vento. A obra de regeneração do Espírito é também uma força poderosa, regeneradora e reconstrutora.

As palavras espírito, sopro e vento têm significado semelhante, tanto no idioma aramaico empregado por Jesus na conversa com Nicodemos, como no grego usado por João ao registrá-la.

No original, o texto diz: “Nascido da água e do vento”. O termo vento ou pneuma ocorre 370 vezes no Novo Testamento. Em João 3:5-8, é traduzido por Espírito. Ele é o que gera e sustenta a nova vida. O Espírito é o agente divino que traz vida.

Mediante um agente assim tão invisível como o vento, Cristo está continuamente agindo no coração. Pouco a pouco, sem que o objeto dessa obra tenha talvez consciência do fato, produzem-se impressões que tendem a atrair a alma para Cristo” (O Desejado de Todas as Nações, p. 172).

O Espírito na criação e no santuário

Na criação
Alguns textos são esclarecedores sobre o papel do Espírito Santo em relação à criação. “Os céus por Sua palavra se fizeram, e pelo sopro de Sua boca o exército deles” (Sl 33:6). “O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida” (Jó 33:4). O Espírito Santo é o ativador de cada ato da criação, ou seja, é aquele que ativa e leva a término os atos iniciados.

O Espírito Santo está associado à atividade criadora e redentora de Deus (Gn 1:1, 2; Jo 16:8). Depois que o homem pecou, foi afastado da comunhão que desfrutava no Jardim do Éden, e a imagem de Deus no homem ficou desfigurada. No entanto, o Espírito de Deus não abandonou o homem após o pecado. Ele está agindo no coração humano para convencê-lo do pecado e para restaurar a imagem de Deus em sua vida.

No santuário
Desde o princípio Deus tem atuado por Seu Espírito Santo, mediante instrumentalidades humanas, para a realização de Seu propósito em benefício da humanidade caída. Isso se manifestou na vida dos patriarcas. À igreja no deserto, no tempo de Moisés, também Deus concedeu Seu “bom Espírito para os ensinar” (Atos dos Apóstolos, p. 53).
Durante a era patriarcal, a influência do Espírito Santo tinha sido muitas vezes revelada de maneira muito notável, mais nunca em sua plenitude” (Idem, p. 37). No santuário, o Espírito Santo atuou até mesmo na escolha e preparo de pessoas para a obra de construção e embelezamento da habitação terrestre de Deus entre os homens (Êx 31:1-5).

O Espírito Santo e Jesus
O nascimento de Jesus foi algo fantástico, inédito e inexplicável! O Espírito Santo – a instrumentalidade por cujo intermédio o poder de Deus é exercido – baixou Sua sombra sobre Maria, e ela concebeu. Não podemos explicar como isso aconteceu, mas preferimos aceitar a afirmação feita por Deus mediante o evangelista (Lc 1:35). Afinal, o justo viverá pela fé (Hb 10:38). O nascimento de Jesus é algo espantoso por dois motivos. Primeiro porque a moça ficou grávida pelo Espírito Santo. Segundo porque ela era virgem (Mt 1:23).

Em João 3:16, Jesus é descrito pela palavra unigênito, do grego monogenes, que significa o único da espécie, ou seja, indicando que ninguém é igual a Ele. Jesus foi o único que teve mãe biológica, mas não teve pai biológico. Assim, Ele é especial, único e sem comparação. É o Deus-homem.

Jesus foi também ungido (At 10:38) e guiado (Mt 4:1) pelo mesmo Espírito. Jesus teve uma vida plena do Espírito. A Bíblia diz: “Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão […]” (Lc 4:1). O Senhor realizou Seu ministério no poder do Espírito (Lc 4:18, 19) e Se ofereceu em sacrifício pelo Espírito. A palavra diz: “Muito mais o sangue de Cristo que, pelo Espírito eterno, a Si mesmo Se ofereceu […]” (Hb 9:14). Romanos 8:11 e 1:4 esclarecem que Jesus Cristo foi ressuscitado pelo poder do Deus Trino. Portanto, o Espírito Santo teve participação preeminente em Sua ressurreição. Uma simples influência jamais realizaria tamanha obra.

Sobre a obra do Espírito Santo em relação ao crente, Ellen White escreveu: “É o Espírito que torna eficaz o que foi realizado pelo Redentor do mundo. É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele o crente se torna participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal” (O Desejado de Todas as Nações, p. 671).

Ellen White fez o seguinte comentário: “O Espírito Santo está constantemente buscando atrair a atenção das pessoas para a grande oferta feita na cruz do calvário” (Parábolas de Jesus, p. 407). Dessa maneira, o Espírito Santo exalta e glorifica a pessoa e obra de Cristo.

Conclusão 
“‘Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê, nem O conhece; mas vós O conheceis; porque habita convosco, e estará em vós’ (Jo 14:16, 17). O Salvador estava apontando para o futuro, ao tempo em que o Espírito Santo deveria vir para fazer uma poderosa obra como Seu representante. O mal que se vinha acumulando por séculos, devia ser resistido pelo divino poder do Espírito Santo” (Atos dos Apóstolos, p. 47).

Muitos cientistas estão dizendo que o mundo precisa urgentemente de uma renovada geração de homens e mulheres. Temos engenheiros genéticos que acreditam serem capazes de criar qualquer tipo de pessoas que quiserem. Mas ciência e a tecnologia não podem mudar a natureza humana básica.

Somente Deus pode nos regenerar. Da mesma forma que fomos gerados fisicamente, podemos nascer de novo espiritualmente. Em João 3, observamos que o novo nascimento é necessário e indispensável.

Nicodemos era rico e fazia parte do Sinédrio. Jejuava diversas vezes por semana; todos os dias, passava alguns momentos no templo em oração; dava o dízimo do que ganhava; era um mestre religioso de destaque. Mas precisava de alguém maior do que um mestre. Ele precisava de um Salvador. Mais do que de religião, ele precisava de regeneração. Mais do que de lei, ele precisava de vida.

A doença do ser humano chama-se pecado. Daí a necessidade, a urgência do novo nascimento. Sem Deus, o ser humano sem Deus tem seu entendimento cegado pelo diabo (2Co 4:4). Só o Espírito Santo pode nos convencer da profundidade do nosso pecado (Jo 16:8-11).

Sem a ação do Espírito Santo, é impossível chegar a Cristo.
É maravilhoso saber que, para o maior pecador, ainda há esperança, pois o Espírito Santo pode tocá-lo e levá-lo ao Salvador.

O novo nascimento, ou regeneração, constitui o maior milagre. É a mudança do homem interior (Ez 36:24-27).

Regeneração não é mérito do evangelista, do pregador, nem é fruto de estratégias humanas, mas resultado da atuação do Espírito Santo. Regeneração é ressurgir dentre os mortos, é despir-se do velho homem com seus efeitos e revestir-se do novo homem.

Não podemos causar a regeneração (Jo 1:13); ela não é fruto das obras (Tt 3:5); não é fruto da justiça própria (Is 64:6); é obra do Senhor, vem de cima e começa no nosso interior. 


Conheça o autor dos comentários deste trimestre: Érico Tadeu Xavier possui graduação em Teologia Pastoral (1991) e mestrado (2000) pelo Seminario Adventista Latino-Americano de Teologia. É casado com a psicopedagoga Noemi, com que tem dois filhos, Aline e Joezer, que são casados e vivem no Paraná.